Um minuto de delicadeza

Pensei em utilizar este vídeo de várias maneiras: para falar sobre figurino (em quase sete anos de blog, nunca escrevi sobre esse assunto), como exemplo de musicalidade (prestem atenção nos momentos finais, que coisa linda!), para dar boas-vindas ao último mês do ano (dezembro está logo aí e várias apresentações de O Quebra-Nozes, também ), mas não resisti. Ele vale por si só.

A variação sequer está completa, mas não tem importância. É ou não é uma delicadeza sem fim?

Trecho da “Variação da Fada Açucarada”, O Quebra-Nozes, Pacific Northwest Ballet, Elizabeth Murphy.

Anúncios

12 comentários sobre “Um minuto de delicadeza

    1. Erika, eu nunca havia assisto a essa versão completa, que coisa mais linda! Tão musical que os movimentos parecem fluir da bailarina. Muito obrigada pelo link. =) Imenso beijo.

  1. Primeira vez que eu vejo o figurino roxo, mas é o que mais faz sentido porque lá a fada açucarada se chama sugarplum fairy, que são uns docinhos roxos, hehe (mas não são de ameixa, pelo visto).

    aah, Cassinha, olhando num monitor maior agora, ela não parece com a gillian murphy. tô triste que a minha teoria flopou. hahaha

    beijoca /

  2. O que seria do Natal dos bailarinos sem O Quebra-Nozes?
    Dica: começa com “na”, termina com “da” e tem duas sílabas (:

    Que lindeza de variação!! O figurino é diferente do que estamos acostumados, e talvez se pareça mais com Fada Lilás do que com Fada Açucarada, mas não deixa de ser maravilhoso.
    Por um mundo com mais vídeos do PNB por aí. E não falo de vídeos curtos, como esse, mas DVDs de montagens completas <3

    1. Sarah, adorei o seu “na” e “da”, hehehe. É bem verdade, o Natal se aproxima e o Quebra-Nozes já surge para nós. Tento fugir dele todo ano, mas não adianta! O PNB poderia mesmo lançar DVDs com as montagens completas, mas até as coreografias eles costumam cortar. Quem sabe um dia eles mudam de ideia! <3

  3. Essa é uma das variações que mais quero ter a oportunidade de dançar na vida! Haha O repertório da minha turma no nosso festival desse ano será Jóias, estou no elenco de Rubi. Dificílimo, porém belo!

    1. Bruna, eu sou perdidamente apaixonada por esse ballet, e você está no elenco dos Rubis, que incrível! Mesmo tão difícil, não tenho dúvidas de que ficará lindo. Se filmarem e publicarem na Internet, por favor, me envia o link? Adorarei assistir.

  4. Cássia, adoro essa variação, acho tão linda e meiga. Mas essa interpretação eu não gostei, acho que por conta do figurino da bailarina, saia longa fica meio descaracterizado.
    A melhor interpretação que vi até hoje de Fada Açucarada foi a da Alina Somova… Não, não estou zoando. Veja só quanta delicadeza!

    1. Dri, na versão de Balanchine, a bailarina dança a variação logo no começo do segundo ato e fora do pas de deux, por isso a saia mais longa. No pas de deux e coda ela dança com o tutu tradicional. Toda remontagem dos ballets dele deve seguir um padrão. Mas apesar disso, eles conseguiram inovar… Nunca tinha visto uma fada do açúcar com um tutu dessa cor! Linda linda!

    2. Dri, apesar da explicação da Julimel, o meu post iria pelo caminho questionado por você: o tutu é lindo, mas não é o adequado para essa coreografia. Você já assistiu ao pas de quatre de “O lago dos cisnes” com o Royal Ballet? Trocaram o tutu bandeja por um tutu longo e metade da coreografia perdeu o encanto. Sobre o vídeo, vou assisti-lo já! =) Grande beijo. (Acabei de assistir, e me surpreendi: que linda a Alina!)

Os comentários refletem a opinião das leitoras e dos leitores e não correspondem, necessariamente, à opinião da editora do blog.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s