Balé clássico abriga pluralidade de estilos

Existem várias maneiras de dançar e a habilidade de adaptação interessa às companhias.

“O balé clássico vive no imaginário da maioria como sendo uma coisa só, eternizada na imagem de uma bailarina diáfana e sua sapatilha de ponta dançando contos de fadas. Para uma grande parte dos que estudam dança, ele é o esperanto que habilita qualquer corpo a comunicar-se em qualquer tipo de dança. Curiosamente, apesar de muito populares, essas duas considerações não resistem a nenhuma investigação bem fundamentada sobre a sua possível pertinência. Tanto o balé clássico abriga métodos distintos, quanto o fato de alguém dedicar-se ao estudo de qualquer um deles com afinco não se converte num passe livre para o trânsito sem fronteiras entre todas as linguagens da dança. Ou seja, estudar balé não forma ninguém em butô.

“A questão em torno da sobrevivência do balé clássico interessa a muitos. Já até foi tema de seminários internacionais. Num mundo onde a produção contemporânea não reserva grande espaço para príncipes ou cisnes encantados, torna-se cada vez mais frequente a pergunta: deve-se estudar balé clássico para dançar os assuntos do nosso tempo? Mas, antes de responder a essa pergunta, deve-se atentar para o seguinte: balé clássico não significa uma única maneira de treinamento apesar de existirem princípios comuns partilhados por todas as suas diferentes formas de sistematização. O balé clássico que um profissional do Kirov Ballet estuda não equivale ao que estuda o seu colega do Royal Ballet, do Balé Real da Dinamarca, ou da Ópera de Paris. Cada uma dessas companhias produz corpos distintos de bailarinos com formação de um tipo de balé, que os capacita a dançar melhor ou pior determinados tipos de obras.

“Essas técnicas, que já vinham de raízes distintas, nunca pararam de se transformar. […] Apenas para os menos informados a etiqueta ‘balé clássico’ continua sendo uma coisa única, universal. […]”

Para continuar lendo o texto, aqui.

Helena Katz, “Balé clássico abriga pluralidade de estilos”, O Estado de S.Paulo, 2 jan. 2002.

* * *

Texto de Helena Katz, uma das maiores pesquisadoras e críticas de dança do país, sobre a diversidade existente no ballet clássico. Enxergamos o ballet como algo único e indistinto, como se todos os bailarinos fossem iguais em qualquer lugar do mundo e todas as companhias falassem a mesma língua. É preciso reconhecer essas diferenças. Isso não significa classificá-las como melhor ou pior, são apenas caminhos distintos. Cabe muito mais a nossa escolha sobre qual estilo nos apraz do que dizer qual é o “verdadeiro ballet”. Isso não existe, embora muitos acreditem que sim.

Anúncios

8 comentários sobre “Balé clássico abriga pluralidade de estilos

  1. Que legal, eu ter encontrado esse blog! Tô fazendo um trabalho de artes para a escola e escolhi o balé como tema. Esse texto me ajudou muito. Pude explicar bem os diferentes estilos e métodos do ballet e ainda aprendi mais um pouco desta arte que eu amo tanto. Obrigada. ;)

    P.S.: Também amo o método Vaganova. É o meu preferido!

  2. Depois que a gente começa a fazer ballet, que notamos o quanto o mesmo é tão diferente em cada escola pelo mundo.Eu sou Vaganova tb. Amo esse método! :)S2

  3. Todos os estilos tem sua beleza, mas eu sempre brinco que sou uma bailarina de caixinha de música russa. Então, é Vaganova!

  4. Eu gosto dos métodos RAD e Vaganova, mas se tivesse que escolher apenas um, ficaria com o Vaganova também.

  5. É verdade o que vc falou.
    Em cada lugar no mundo o ballet é dançado de uma maneira. As companhias tem seus próprios métodos de ballet.
    Eu, assim como o Cesar C., gosto muito do Vaganova, pois o acho muito forte e imponente, mas esse negócio de achar que o ballet é dançado do mesmo jeito em todo o lugar no mundo é um grande erro. Se vc pegar o método russo Vaganova e o método italiano Cecchetti, vc verá que o arabesque não é a mesma coisa nas duas. De um para o outro, muda muita coisa.

  6. Sei que o método é diferente em cada país. Eu gosto do método Vaganova, mas de vez em quando fico perdido na beleza do método francês. Amo os dois de verdade.

Os comentários refletem a opinião das leitoras e dos leitores e não correspondem, necessariamente, à opinião da editora do blog.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s