Guia de estudo

Não é difícil perceber o meu amor pelo estudo, o próprio blog é um reflexo disso. Mas eu reconheço que estudar não é a atividade número um na vida da maioria das pessoas. Engraçado é que ter conhecimento é bem-visto e a vaidade intelectual é altamente estimulada. Há pessoas que querem saber tudo, mas não querem conhecer nada. O saber pelo saber. Não vejo utilidade nisso. Para mim, o conhecimento deve existir para melhorar a nossa vida de alguma forma. Neste caso específico, para vivenciarmos o ballet clássico da melhor maneira possível.

Por outro lado, há pessoas que querem estudar, mas se perdem no mar das informações. Como separar o joio do trigo?

Vou compartilhar com vocês como eu estudo sobre dança. É claro que isso não é uma regra, mas talvez ajude quem quer encontrar o seu próprio caminho para estudar.

Aprenda a usar o YouTube

Às vezes no blog, quase sempre no Facebook, eu publico vídeos de dança. Vocês acham que eu passo horas buscando vídeos? Eu tenho uma conta no YouTube e estou inscrita em vários canais de dança, de companhias a bailarinas profissionais. Dessa maneira, eu sempre vejo quais vídeos foram publicados recentemente por esses canais. Não só, o próprio YouTube indica vídeos que eu gostaria de assistir e já encontrei verdadeiras pérolas nessas indicações. Vídeos raros, repertórios completos e em partes, documentários. O YouTube é nosso braço direito no estudo da dança, basta saber usá-lo.

Não tenha receio do que desconhece

Vocês acham que sou fluente em inglês e que sei francês superbem, certo? Isso porque eu sempre publico vídeos nesses idiomas. Eu não sou fluente em inglês. Eu estudei francês por pouco tempo, e há mais de dez anos. Mas assisto o que for nessas duas línguas e entendo muita coisa, e sabem por quê? Elas não me intimidam. Não preciso entender tudo. Russo também não me intimida, mesmo eu não entendendo nada. Com os textos, isso é ainda mais fácil, existe o tradutor do Google. Aí, nem polonês me assusta. Se você ficar esperando tudo legendado, bonitinho em português, o seu conhecimento será bem limitado. Aliás, nos vídeos de bastidores e nos documentários, boa parte das cenas são de dança e essa linguagem é universal. Ou seja, não tem desculpa.

Escolha os seus preferidos e os acompanhe

Eu não tenho ideia do número de companhias de dança existentes no mundo. De bailarinos profissionais então, muito menos. É humanamente impossível acompanhar todos. Por isso, eu tenho os meus escolhidos. Entre as companhias, a Ópera de Paris está no topo da lista. Sei o que acontece, quem é contratado, quando tem audição, quem é escolhido étoile, enfim. Por alto, eu acompanho Royal Ballet, Bolshoi Ballet, American Ballet Theatre, English National Ballet, Grupo Corpo e São Paulo Companhia de Dança. Entre as bailarinas, Aurélie Dupont (Ópera de Paris), Evgenia Obraztsova (Bolshoi Ballet), Olesya Novikova (Kirov Ballet) e Laëtitia Pujol (Ópera de Paris). Basicamente, é sobre o trabalho delas que pesquiso e os vídeos que mais assisto. Todas estão na ativa, ou seja, é mais fácil encontrar material sempre.

Acabou? Não. Há as bailarinas do passado: Margot Fonteyn e Carla Fracci são as queridas do meu coração.

Essa é a base da minha pesquisa. E quem acompanha as minhas publicações deve ter percebido que esses nomes não são novidade nem no blog, tampouco no Facebook.

Se abra ao acaso

Mas ter os meus preferidos não significa que só eles existem. Quando pegamos o costume de pesquisar, novos nomes sempre aparecem e as boas surpresas surgem. Outro dia mesmo me deparei com um vídeo da bailarina Grettel Morejón. Já cismei com a Mathilde Froustey e passei dias assistindo aos seus vídeos. Foi sem querer que descobri o Teatro Mikhailovsky. Pesquisando sobre George Balanchine, eu conheci o New York City Ballet.

Outra maneira de descobrir coisas novas é escolher um assunto que você queira estudar. Está em um dia “O lago dos cisnes”? Digite “Swan Lake” no YouTube ou no Google e passe horas se divertindo. É assim que as coisas surgem.

Use o Facebook e o Twitter a seu favor

Companhias de dança, bailarinos e bailarinas, grandes escolas de formação. Estão todos lá no Facebook publicando vídeos e informações. No Twitter, a mesma coisa. Eu prefiro o Facebook, porque há um feed de notícias e só vemos as páginas que curtimos. Ou podemos cancelar a assinatura daqueles amigos que amam publicar o tempo todo e acabam atrapalhando o acompanhamento de outras publicações. Há muita informação disponível nessas redes, mas muita! É só saber usá-las. Mas também não adianta “curtir” todo mundo e não conseguir acompanhar nada. É legal seguir a tática da escolha: siga os seus preferidos e acompanhe o que achar mais relevante para você.

Leia sobre ballet clássico

Uma coisa que aprendi nas aulas de metodologia de pesquisa: no meio acadêmico, os termos “prática” e “teoria” estão em desuso, agora é “aplicabilidade teórica”. Ou seja, teoria e prática caminham de mãos dadas. Quem lê sobre ballet sabe que esse conhecimento acaba se refletindo na sua dança. Só isso é tema suficiente para um post, mas por ora, basta saber que é bacana ler sobre o assunto. Nem que seja de vez em quando.

Estude alguma coisa todo santo dia

Uma variação tem, em média, de um a dois minutos. Ler uma página de um livro leva alguns minutos. Um post de um blog ou um artigo de jornal, um pouco mais. Um documentário sobre dança costuma ter menos de duas horas. Os repertórios completos, idem. Vídeos de ensaios ou bastidores, uns cinco minutos. Um desses por dia, só um!, faz uma imensa diferença. E vamos combinar, é difícil estudar sobre ballet para quem ama o assunto?

Descanse

Também é preciso descansar a cabeça e o corpo. Assim, o saber decanta e nos apropriamos do que aprendemos. E o conhecimento passa a fazer parte de nós. Parece exagero? Só parece. Mas é assim mesmo que funciona.

Se alguém tiver alguma dúvida ou outras maneiras de estudar, basta dizer nos comentários. Porque o próximo passo é compartilhar o conhecimento. Afinal, quanto mais pessoas conhecerem, melhor para todos nós.

*

P.S. Um adendo: graças às leitoras e leitores queridos, eu acabo conhecendo muita coisa, pois sempre alguém compartilha algo diretamente comigo, ou aqui no blog ou na página no Facebook. Esse item não entrou na lista porque é consequência direta desses meios que mantenho, mas não é menos importante. E eu só tenho a agradecer vocês por isso.

Anúncios

11 comentários sobre “Guia de estudo

  1. Eu estudo bastante parecido com esse guia, mas com menos regularidade, eu acho, às vezes passo dias sem nem olhar textos e informações sobre dança e noutros passo o dia inteiro lendo e pesquisando (aquele uma coisa puxa a outra e quando você vê passou o dia nisso, sabe?). Mas sou dessas que se perde no Facebook e no Twitter, haha.

    Beijos

  2. Oi Cássia! gostei muito da sua dica, e queria te perguntar se vc poderia colocar nos comentarios alguns dos links dos canais do youtube que vc segue e indicar leituras sobre o ballet clássico disponíveis na internet.
    obrigada
    beijos

  3. Oi Cássia!
    Tenho uma ótima notícia pra você que é fã da Evgenia, assim como eu: no fim do mês ela vai dançar Nikia pela primeira vez!! Infezlimente essa não será a apresentação que passará nos cinemas, mas os fãs russos sempre filmam então temos chances de vê-la.
    ps: Que bom saber que você é fã da Olesya!

  4. Oi Cassia ! eu tb sou uma bailarina tardia e minha formação é em História, por isso tenho hábito de estudar e ler muito. Seu blog foi uma grande influência para eu começar a estudar o ballet. Gosto qnd vc não coloca paredes entre teoria e prática, isso é tão bonito e tão útil. Eu penso a dança também estudando arquitetura barroca, que é simplesmente o movimento da forma e pra mim tudo isso tem uma conexão lógica, bem concreta até. Eu torço para que entusiasmos como o seu se profissionalizem e o Brasil ganhe com mais amparo teórico e erudito pra dança, além de isso melhorar a qualidade da própria dança, que só enriquece com a consciência de sua tradição.

  5. Cássia, você mencionou o Youtube, e um dia desses uma amiga me mandou um vídeo, uma aula de ballet da Bournonville School. Não assisti ainda, e se prepare, porque o vídeo tem mais de duas horas, mas falando em conhecer coisas novas… (Digo isso porque eu nunca tinha visto nenhuma aula que usasse essa técnica)

  6. Sabe, eu estava procurando um lugar pra eu poder me aperfeiçoar aqui na cidade onde moro, mas não tive exitos, porque as pessoas me acham velha demais pra estudar ballet, e estava totalmente desanimada, pensei assim:”O q vou ensinar este ano, que novidades terei” Fiquei muito triste por dias, agora lendo este post, acho q dá pra aprender sozinha, aí q vou seguir tudo isso q está escrito aqui, e vou ver se aprendo alguma coisa diferente, ou consigo melhorar o que já sei.

    Obrigada!

  7. Adoro vc, Cássia, através do seu blog me animei a voltar ao Ballet há dois anos atras e sempre encontro incentivos incríveis a continua-lo qdo leio seus Posts! Muito, muito, muito obrigada por fazer parte da minha vida! Vc nao imagina como tem me ajudado, querida ^_^
    P.S.: nao sou muito de escrever, manter contato e tal, mas quero aproveitar e dizer que amei muito o filme “Whatever Lola wants”, ele me trouxe uma visão incrível sobre propósitos de vida, além é claro do amor a dança.
    Bom, é isso. Muitos beijos e muito obrigada!

  8. Cássia,

    Gostei muito de seu post sobre “Guia de Estudo”.
    Algumas pessoas pensam ainda que dança é apenas a aula prática de técnica.
    Ter conhecimento teórico é super importante também.
    Obrigado pelas dicas.

    Abraço.
    Alexandre Reis.

  9. Assistir vídeos no Youtube é o melhor jeito de aprender. Eu curto muito assistir várias versões de um mesmo ballet, até pra que eu consiga sentir qual o estilo que gosto mais. Até hoje, quase sempre gosto mais das versões do American Ballet Theater, que apesar de muitas vezes serem tachadas de tecnicamente inferiores, são muito expressivas. E é isso que eu gosto no ballet: expressividade.

    Redes sociais também ajudam muito. Claro que tem muita porcaria, mas existem perfis realmente confiáveis de gente que indica coisas muito legais.

    Hoje em dia não tem desculpa pra não melhorar. Tem até vídeo-aula no Youtube! Eu irei agradecer sempre o Maestro Greenwood por ter feito milagres pelo meu footwork: meus tunde e rond de jambe na barra nunca mais foram os mesmos! Inclusive ele tem aulas incríveis sobre pirueta a partir da quinta posição. Ajuda horrores pra quem está começando agora. http://www.youtube.com/user/onlineballetclass

    É isso mesmo, temos que estudar!

  10. Oi Cássia eu ando sempre de volta dos blogs e do faceok.
    Sou capaz de passar horas.
    Achei fantástico o documentário first position, e por isso queria te pedir se souberes alguns documentários de ballet.
    Obrigado seu blog é muito bom.

Os comentários refletem a opinião das leitoras e dos leitores e não correspondem, necessariamente, à opinião da editora do blog.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s