Pina Bausch, a minha mais nova inspiração

“Eu não estou interessada em como as pessoas se movem, mas no que as movem.”
Pina Bausch (1940-2009)

Publiquei dois posts sobre o documentário Pina (aqui e aqui), mas ainda não havia assistido ao filme. Eu o assisti há pouco tempo e fiquei absolutamente impressionada.

Resumidamente, eu soube da existência de Pina Bausch em 2002, nas minhas aulas de expressão corporal no curso de teatro. A minha então professora tem uma companhia de teatro-dança e é uma apaixonada pelo assunto. Até suas aulas eram voltadas a isso. Na época, eu não era muito fã, mas lembro de um espetáculo que assistimos na aula e fiquei encantada. Mas parou por aí.

Anos depois, assisti ao filme Fale com ela, de Pedro Almodóvar. Novamente, lá estava ela. Engraçado que me identifiquei com a bailarina da história, mesmo sem nem pensar em fazer aulas de ballet clássico na época. Revi o filme tantas vezes que perdi a conta.

Depois disso, quando comecei a dançar, lia uma coisa ou outra sobre ela. Nunca vi sua companhia ao vivo, mas fiquei bem entristecida quando ela morreu. Não conhecia o seu trabalho a fundo, mas tinha claro comigo a sua importância na história da dança.

Até o dia em que vi Pina, de Wim Wenders.

O filme se resume, basicamente, a duas coisas: trechos dos espetáculos da Tanztheater Wuppertal e depoimentos dos bailarinos da companhia, cada qual em sua língua materna.

Por mais apaixonada que eu seja por ballet clássico, não me identifico com sua segregação, como vocês bem sabem. Não sou, nem nunca fui, uma entusiasta da aristocracia, eu acredito na igualdade. Digo isso para vocês entenderem que seria impossível não me encontrar ao ver a dança de uma maneira tão agregadora.

Para começar, os bailarinos são completamente diferentes uns dos outros. No jeito, no corpo, no país de origem, na idade. Todos dançando de igual para igual. Além disso, em seus espetáculos, Pina Bausch falava de todos nós. Não há como não se reconhecer em algum momento, nos vemos em sua obra, também estamos no palco de alguma maneira. Como não amá-la?

Outro ponto de admiração: ela quase não falava. Ela assistia a tudo e pontuava raramente, uma indicação ou outra. Lição valiosa para o mundo da dança.

Pina Bausch ganhou mais uma admiradora, que se debruçará sobre seu trabalho com curiosidade e amor.

*

A querida Camila compartilhou no Facebook este flash mob realizado por conta do filme. Belíssima homenagem. E a vontade de dançar também?

Anúncios

7 comentários sobre “Pina Bausch, a minha mais nova inspiração

  1. sem duvida das melhores coreógrafas .
    tambem pude oportunidade de assistir ao filme, e fiz um espectaculo em sua homenagem .

  2. E Cássia, sobre o outro ponto de admiração, meu professor me indicou um documentário que mostra bem isso, é bem legal porque mostra eles trabalhando, criando as coreografias. Não é um documentário “bonito”, mas é bem interessante, acho que você vai gostar

    Parte 1: http://www.youtube.com/watch?v=LR6T4Fb7ucg
    Parte 2: http://www.youtube.com/watch?v=GGWro5C5Tg4
    Parte 3: http://www.youtube.com/watch?v=uR_HV62RhHs&feature=fvwrel
    Parte 4: http://www.youtube.com/watch?v=r0pfS-_ee0Y

  3. Ela é a minha inspiração também. Amo amo amo Pina. Acho que ela tinha um dom especial, a Martha Graham disse em uma entrevista que em cada platéia você consegue transmitir o que você quer dizer a uma pessoa, apenas uma (não sei citar exatamente, rs), mas Pina conseguia ir além, a sensibilidade dela era tão tão apurada e as peças tão sinceras que é como se ela entendesse a essência de todo mundo, por isso é tão impossível (ou quase) não gostar da obra dela. E, eu acho, a diversidade no palco tem um peso enorme nisso, condiz tanto com a diversidade na vida que a gente se sente mais incluso naquela realidade, acredito que isso também faz diferença.

    Beijos

    PS: Ainda não assisti Fale com ela, mais de uma pessoa já me disse que é um filme maravilhoso e a curiosidade aumentou agora. Espero ver muito em breve.

  4. Obrigada pelo este post. Sou perdidamente apaixonada pela Pina e Fale com ela é o meu filme predileto das obras do Almodovar. Uma das coisas que me lamento até hoje é que não assisti ao espetáculo dela, quando veio ao Brasil. Todas minhas amigas bailarinas foram e eu não pude ir… Me consolei achando que teria outras oportunidades…quem poderia imaginar que ela iria embora tão cedo? Quando soube da morte dela meu coração despedaçou. Esse filme é uma bela homenagem, e fico feliz que a arte dela continua viva, emocionando pessoas.

    1. Cássia, tudo bem? eu sei que vou te fazer uma pergunta um pouco pessoa, mas eu estou buscando aulas e profissionais que apliquem a Dança-teatro aqui no Brasil, você teria como me informar o nome da sua antiga professora?
      obrigada! beijos

Os comentários refletem a opinião das leitoras e dos leitores e não correspondem, necessariamente, à opinião da editora do blog.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s