“Você tem de emagrecer!”

O primeiro post sobre a relação entre ballet e alimentação foi escrito há três meses e pode ser lido aqui. Hoje eu falarei sobre uma das coisas que mais me incomodam no ballet clássico: o imperativo do emagrecimento.

Antes, contarei duas histórias que aconteceram comigo. Não julguem, apenas prestem atenção.

1) Praticamente, em toda aula de ballet, uma professora analisava o meu corpo. “Cássia, você emagreceu”. “Cássia, seus braços estão um pouco maiores…” “Cássia, você anda comendo muito bolo, hein?” Ela nunca foi grosseira, nunca me pediu para emagrecer, nunca relacionou meu desempenho ao meu peso. Mas ela sempre comentava sobre o assunto.

2) Uma outra professora, conversando informalmente comigo, disse: “Sabe por que o seu blog faz tanto sucesso? Você tem mais idade, está acima do peso… As pessoas se identificam com você”. OK, fui chamada de velha e gorda. Mas não foi uma crítica, porque percebi que ela falou como se fosse um elogio, mesmo passando longe disso.

O detalhe: eu não estava acima do peso em nenhuma das vezes. Nunca tive sobrepeso. Sim, quase cheguei ao limite e depois emagreci. Eu tenho 1,50m e meu peso oscila entre os 50kg e os 52kg.

É importante perceber que as duas professoras não comentaram por mal, mas porque isso está arraigado no ballet clássico: nós sempre temos de emagrecer. Sempre. Nunca ouvi a frase “Mantenha-se assim”. Nunca ouvi um “Tal bailarina está no seu peso ideal”.  Ela pode estar magra, a gente conta os ossos das costelas, mas ainda não está bom…

Vocês têm ideia do quanto isso é nocivo? Alguém tem noção da gravidade disso?

Várias pessoas vão argumentar que é preciso ser magra para dançar bem. Há várias maneiras de refutar isso, e dos pontos de vista físico, técnico, histórico e, acreditem!, da física. Basta vocês pesquisarem a respeito.

Por enquanto, não entrarei no mérito do ballet clássico profissional, ficarei apenas no âmbito amador. Por que uma bailarina, sem grandes pretensões, deve ser obrigada a emagrecer? Por que os estúdios de dança, que deveriam ter como ponto principal o bem-estar dos seus alunos, submetem as bailarinas a tamanha angústia? Por que as professoras, muitas vezes elas próprias acima do peso, pressionam tanto as suas alunas?

Vamos falar a verdade: bailarinas com sobrepeso são poucas. E, sim, estou falando das amadoras. Além disso, as únicas pessoas que podem atestar isso de fato são endocrinologistas, nutricionistas e educadores físicos. Professores de ballet clássico, bailarinos e estudantes de dança não fazem parte dessa turma. Mas, engraçado, são eles que insistem em dizer ao mundo: “Emagreça!”. Não só, ensinam todo mundo a emagrecer.

Vocês já conversaram com uma nutricionista? Se eu estiver falando bobagem e alguma nutricionista estiver lendo, por favor, me corrija. Mas pelo pouco que sei, quando um cardápio é montado com o objetivo de emagrecer, vários aspectos são levados em consideração. Além de uma extensa análise física, há uma análise da saúde, dos hábitos e do estilo de vida da pessoa. O seu cardápio será diferente do cardápio da sua amiga, mesmo que vocês tenham o mesmo peso, altura e façam ballet juntas. Sendo assim, por que há tantos textos por aí ensinando a emagrecer? Alguém pode me responder?

Em primeiro lugar, existe uma diferença entre estar abaixo do peso, peso ideal, sobrepeso e obesidade. Também existe uma lacuna gigantesca entre estar gorda e se sentir gorda. Os únicos que podem analisar isso são os profissionais que mencionei. Só.

E serei bem radical quanto ao que direi: professoras de ballet clássico que forçam suas alunas a emagrecer e, com isso, geram diversos distúrbios alimentares, de saúde e psicológicos em suas alunas, deveriam responder por isso. Médicos, psicólogos e outros profissionais perdem o direito de exercer a profissão quando cometem erros que prejudicam pacientes de maneira irremediável. Mas as professoras continuam dando aula, mesmo quando uma bailarina torna-se anoréxica pelo resto da vida.

Para pensar.

Anúncios

49 comentários sobre ““Você tem de emagrecer!”

  1. Li os três primeiros comentários e descobri o que já constatava: sou magra.
    Tenho 24 anos, 1,60m e 46kg, talvez até bem magrinha, mas vendo as bailarinas profissionais, consigo ver que são mais magras que eu, mas isso não seria por se exercitar o tempo INTEIRO?

    1. Não necessariamente, Ananda. Além de outros fatores, nesse caso, a perda de peso dependerá da relação entre consumo de calorias (comida) e gasto de calorias (exercícios). Se você simples assim, qualquer pessoa que se exercita muito seria magra, o que não é verdade. Grande beijo.

    1. Natali, uma bailarina “perfeita” consiste em grande talento, excelente técnica clássica e imenso conhecimento artístico. Já o seu peso em relação a sua altura é considerado “normal” de acordo com os padrões. Grande beijo.

  2. oi ,eu sou a kamylla tenho 12 anos peso 47 kg e tenho 1,47 esse ano comecei a ter um certo interesse por dança, mas pensei em entrar no aria ,mas eu to pensando em desistir porque ficam dizendo que sou gorda e nao vam me aceitar ,o que eu faço me da um conselho por favor

    1. Kamylla, você não é gorda e, mesmo que fosse, tem todo o direito de dançar. Não desista; se nesse lugar não te aceitarem, procure um outro mais respeitoso e acolhedor, mas dance sim, tudo bem? Imenso beijo.

    2. Olha eu acho que vc não é gorda só acho que vc tinha que se aceita do geito que vc e

  3. Olá, tenho 14 anos e 8 meses , nunca pratiquei ballet . desde meus 8 anos sonho em dançar ballet, mas meus familiares dizem que não posso pois desde pequena fui muito gorda , sei que é verdade pois tenho. 1,69 de altura e peso 71 kg , no momento estou fazendo de tudo para emagrecer ate o fim desse ano e poder fazer de meu sonho realidade . Você é uma grande inspiração para mim .

  4. Oi, primeiramente amei seu blog! Eu fazia Ginástica Artística na Praia Grande Litoral de SP, me mudei para São Francisco do Sul SC, aqui nao tem ginásio de Ginástica Artística, e eu quero fazer algo … Entao pensei, Ballet! Pq nao? Ótima idéia! Pois Ja fiz ballet quando eu tinha por volta de uns 6 ou 7 anos . Acho muito lindo as bailarinas dançando, porém tenho medo de voltar a fazer ballet e me mandarem “emagrecer” Aah, eu tenho 13 anos, 1.56 de altura e 51 kg . Sempre ouvi dizer – Aaah, bailarina? Tem que ser muito magra . A cada vez que ouvia algo do tipo, perdia as esperanças de se tornar bailarina . Sim, sei que não é qualquer um que pode se tornar uma bailarina profissional . Ou nao .. Eu quero fazer ballet sim ! Mas nao do tipo ” Ah, vou fazer pq nao tem mais nada . ” Eu queria mesmo, alias, eu quero um dia se Deus quiser ser uma bailarina profissional! Pois nao sei se posso .

  5. Olá, eu tenho 16 anos e nunca pratiquei ballet, mas meu sonho é se tornar uma bailarina profissional. Tenho 1,62 de altura e 57kg. Eu pretendo emagrecer 5kg. Será que eu consigo pela minha idade? Pois todos dizem que eu estou velha e não posso ser uma bailarina profissional.

    1. Ranielle, a resposta para a sua dúvida está naquele outro post que você leu e comentou o “Eu tenho (tantos) anos, ainda posso ser bailarina profissional?”. Começar aos 16 anos para ser bailarina clássica profissional é muito difícil… Nessa idade, há quem esteja com os pés no ballet profissional. Em todo caso, comece as suas aulas, isso é o mais importante. E esqueça a questão do peso, pense na dança, tudo bem? O importante agora é começar a dançar.

      Grande beijo.

    2. Não queria me meter… Aliás, desculpa se incomodar, mas queria dar um conselho Ranielle… Se você gostar mesmo disso, e se esforçar, você perde o peso que você quiser naturalmente.. O ballet é uma arte que exige muito trabalho, isso queima as gordurinhas, e se você já se alimentar bem, mantenha-se assim, que você emagrece.

  6. Oi Cássia
    Tenho 11 anos,faço balé a dois anos
    Subi nas pontas ano passado mas tenho dificuldade em subir sem a barra.
    Minha mestra disse que eu tenho as pernas não muito fortes,tem alguma coisa que eu possa fazer para melhorar????

    1. Zena, na verdade, você nem deveria ter subido nas pontas se não tem força suficiente para isso. E especialmente porque você tem pouco tempo de ballet. Mas vamos focar na sua questão: você precisa fortalecer suas pernas e seus pés. As pernas você fortalecerá com o próprio trabalho do ballet, você tem aulas na meia ponta, não tem? Para os pés e tornozelos, faça essa sequência de exercícios: http://www.escolabolshoi.com.br/bolshoi/Portugues/detPostagens.php?c=MzM0NQ== Outra coisa, você está usando uma sapatilha com a dureza própria para o seu pé? Porque se a palminha for muito dura, você não conseguirá subir mesmo e terá problemas no futuro. Agora você precisa de uma palminha mole, tudo bem?

      Grande beijo.

  7. Oi Cass, não concordo nem discordo plenamente, no meu caso, a minha professora sempre comenta que estou emagrecendo e me parabeniza por isso, eu emagreço mas não por que ela diz que estou gorda mas sim por que EU QUERO, entendo que nem todos os professores são assim, mas acho que podemos ver uma parcela razoavel deles. Eu faço de tudo para emagreçer por que eu tenho planos de entrar para o Bolshoi, e estou 4% acima do peso aceitável no IMC, então as vezes pulo refeições, sei que não é correto mas o corpo é meu ponto fraco. Acho que você está generalizando um pouco ao dizer que o peso nunca está bom, entendo o seu ponto de vista, mas, os professores estão tentando nos ajudar a ficar perfeitas para o ballet (também acho que isso deveria ser apenas para o ballet profissional que é o meu caso mas quem só faz por hobby não deveria passar por isso), mas claro, lembrando que me refiro àqueles que dizem para emagrecer para o ballet, e com acompanhamento, mas não para te botar para baixo e te deixar anorexica.
    Eu moro em Brasília e aqui não acho um nutricionista bom, peço para minha mãe praticamente todo santo dia para marcar uma consulta com um, mas ela não acha nenhum (ALGUÉM QUE MORA EM BSB ME INDICA UM??) Então, devido à falta de instruções eu paro de comer e as vezes dou a louca e como duas fatias de bolo de uma vez, sei que não é certo mas também não confio em dietas da internet pois meu corpo não é igual ao de todo mundo. Me alimento bem e faço bem os exercícios, já comecei a ponta mas ainda assim, minha escola é pequena e não tem apoio nutricional. Você pode me ajudar?

    1. Juliana, se você acha supernormal uma professora incentivar o emagrecimento a todo custo, parabenizar as alunas pelo emagrecimento e encarar isso como “perfeição”, sinto muito, não há nada que eu possa fazer.

      Grande beijo.

  8. Olá, Cássia! Após ler este post e alguns comentários, tive vontade de compartilhar minha atual experiência. Tenho 35 anos, fiz algumas modalidades de dança quando criança e adolescente e, agora, resolvi me matricular no ballet clássico. Estou praticando há 2 meses e ainda me sinto um pouco envergonhada, pois, apesar de ter boa coordenação motora e elasticidade, estou com sobrepeso e não tenho biotipo de bailarina (tenho pernas grossas e quadril bem largo). Mesmo assim, estou me esforçando e evoluindo a cada aula.
    Estou controlando minha alimentação com ajuda de nutricionista para voltar ao meu peso ideal e, como sou mais “madura”, sei da importância da alimentação adequada na vida de qualquer ser humano.
    O que vejo na minha turma (de ballet amador, é claro), em que a faixa etária vai dos 15 aos 70 anos, é um exemplo real de tudo o que você escreveu e, principalmente, da questão magresa x habilidade de dançar. Vejo algumas meninas da minha turma praticamente esqueléticas que não conseguem dançar uma simples valsinha, pois a coordenação motora não ajuda.
    Precisamos lembrar que o alimento não vai somente para os músculos. Grande parte das calorias ingeridas é usada pelo cérebro. Sem calorias, as conexões neuronais não funcionam direito.
    Eu realmente me senti bem animada lendo o seu post e gostaria de dizer às meninas que sonham em ser bailarinas, e desistiram por não terem o “biotipo ideal”, que parem de ouvir os outros e ouçam o coração de vocês!!! Eu ouvi o meu e estou aqui, firme e forte, realizando o meu sonho!
    Sem música e sem dança a vida seria muito monótona!!!! DANCEM!!!

  9. Eu desisti do meu sonho por conta dessa história de peso. Meu sonho, desde os 4 anos de idade (quando fiz minha primeira aula) era ser Bailarina Clássica. Mas um dia meu professor me disse que eu nunca conseguiria ser uma bailarina profissional por não ter o biotipo certo, por ser baixinha, e ter “corpão” (bundão, coxão e peito). Eu tinha 12 anos quando ele disse isso, desde então comecei a fazer tudo o que podia pra conseguir emagrecer, desde parar de comer, a vomitar. Fiquei 2 anos com essa história, até que consegui me controlar e parar com isso, com a ajuda de alguns amigo (sim, até hoje minha mãe não sabe). Com 13 anos parei com as aulas por tais motivos. Tenho 16 anos hoje, e não tive psicológico pra voltar. Tentei, tentei muito, mas não consigo. Toda vez que vou, lembro do que o meu professor me disse, e começo a chorar. Alguns amigos dizem pra eu seguir meu sonho, mas toda vez que vou a uma aula sinto que não nasci pra isso.

  10. Eu sou bailarina há 13 anos, e ficava pensando muito sobre isso também, até eu entrar nas aulas de pas de deux. Quando começamos a estudar essa técnica nós entendemos o que os professores falam sobre ficar acima do peso. Quando comecei as aulas de pas de deux meu professor falava “não faça esse exercício, pode machucar o seu partner, você ainda está acima do peso”, e no começo eu não ligava muito. Mas chegou um dia em que eu percebi que eu não conseguia fazer os movimentos dessa aula por causa do meu peso. Não importa o quanto o menino faça exercício, ele não consegue fazer carregamentos ou exercícios simples com a bailarina se ela está acima do peso PARA O BALLET. É só por este motivo que os professores insistem tanto em dizer que ainda estamos acima do peso. Apesar disso discordo dos professores que apenas julgam o peso e não instruem os alunos a emagrecerem de forma correta. Meu professor me disse que eu estava gorda e que eu precisava emagrecer. Pediu que eu fosse conversar com ele depois da aula. Quando fui falar com ele, ele me deu um cartão com o nome e o telefone de uma nutricionista. Eu expliquei toda a minha situação para ela, contei que era bailarina e que por isso estava fazendo a consulta. Ela disse que estava acostumada a lidar com bailarinos. Me passou uma dieta (não, eu não fiquei sem comer, ou comi menos. Eu comi em menores quantidades várias vezes por dia, e apenas troquei alguns alimentos por outros, mas nunca deixei de comer o que eu gostava. Minha nutricionista inclusive fez questão de colocá-los na minha dieta.) Hoje eu emagreci 8 quilos. Ainda faltam dois para que eu fique no peso ideal. Ainda não posso fazer todos os exercícios das aulas de pas de deux, mas concordo com os professores que falam que é preciso emagrecer, mas tenho que discordar de você quanto a ideia de que os professores nunca estão satisfeitos com o nosso peso. Meu professor na realidade nos parabeniza a cada quilo, e quando chegamos ao peso ideal, ele inclusive faz questão de nos dar os parabéns, falar para a turma inteira que nós conseguimos e ainda nos usa de exemplo para os que (como eu) ainda não atingiram o peso certo. É claro que eu estou falando única e exclusivamente da MINHA EXPERIÊNCIA. Eu não estou vivenciando isso dentro de uma academia, estou vivenciando dentro de uma companhia de dança, então o modo com que somos tratados é um pouco diferente (mais exigente talvez), mas me senti na obrigação de dividir isso com vocês. Os professores não querem nos fazer ter distúrbios alimentares, não querem que nós fiquemos mal por “não estar no peso certo”, pelo contrário, eles querem que nós consiguemos dar o melhor de nós mesmos, e querem nos previnir de possíveis acidentes. Já vi várias garotas cairem e se machucarem muito feio porque fizeram portés no pas de deux class sem estarem no peso certo. Acho na verdade muito importante que tenhamos essa orientação, tanto do professor quanto de um profissional da saúde, para que sigamos da maneira certa o nosso caminho na dança.

    1. Beatriz, como você bem disse, isso é a SUA experiência e essa é a atitude do SEU professor. Continuo discordando de maneira veemente que as bailarinas têm de emagrecer, mas não discorrerei todos os pontos porque isso será discutido em uma série de posts que serão publicados em breve. Acho lindo dizer que professores não contribuem para os distúrbios alimentares ao chamarem suas alunas de gorda, quando toda semana eu recebo um e-mail ou um comentário de uma bailarina que está sofrendo de anorexia ou bulimia. Ossos também pesam e se a questão é o partner, coloquem bailarinas mais baixas com bailarinos de estatura mediana e bailarinas altas com bailarinos mais altos ainda. É comum bailarinos terem sérios problemas nos ombros e braços porque hoje as bailarinas são mais altas e PESAM da mesma maneira que eu, com 1,50m e 50kg. Sempre baterei na tecla: bailarina ser magra é uma questão estética, nada tem a ver com técnica ou outras questões. E para cada pessoa que insiste nisso, uma menina é internada com distúrbios alimentares e uma hora isso terá de acabar. A postura do seu professor de encaminhá-la para uma nutricionista é louvável, mas ELE faz isso. Não tomemos como regra o que é uma exceção.

      Beijos.

    2. Olá, eu gostaria de sua opinião para a seguinte informação: a cada salto que uma bailarina dá o impacto equivalente é de 3x ao seu peso. Ou seja, uma bailarina que pesa 66 kgs que é o meu caso, equivale ao impacto de 198 kgs ao cair no chão, refletindo diretamente nos seus joelhos. Neste caso, quanto mais leve a bailarina, melhor para ela. Eu concordo com você que não deve existir uma extrema magreza, mas vendo sobre esse ponto de vista, o que você diz?

    3. Gabriela, em primeiro lugar, o impacto não equivale a três vezes o peso da pessoa. Esse valor é muito maior e varia de acordo com o peso da pessoa, a altura do salto e a velocidade do movimento (e outros aspectos que desconheço, pois não sou especialista em física). Além disso, a força muscular e a flexibilidade entram nessa análise, pois são importantes para amortecer o impacto. Não confunda salto com queda livre. E, sim, o peso corporal influencia diretamente nos joelhos, não apenas no ballet clássico, mas até no caminhar. Por outro lado, quando a bailarina emagrece demais, não tem força muscular para saltar adequadamente. E aí, qual é o impacto disso no corpo? Importante é ter um corpo saudável, com força muscular e flexibilidade, dois itens importantes para o salto com menor risco de lesões. Além do mais, massa muscular também pesa, viu?! O peso em si diz muito pouco, por isso, ele nunca é analisado isoladamente. Por isso, a afirmação “quanto mais leve a bailarina é melhor para ela” não se sustenta. Além do mais, a física não existe sozinha. No caso dos bailarinos, a física, a biomecânica, a anatomia e a cinesiologia caminham juntas.

  11. tenho 14 anos sou bailarina. Bom…eu era uma pessoa normal até experimentar pôr o dedo na garganta.Pronto ! desde o ano passado sofro de um disturbio alimentar, tinha 1:62 pesava 60, hoje peso 47 ou 48, ainda descontente com meu corpo. No inicio minha mãe e , alguns amigis ficaram sabendo, mas hoje prefiro nn comentar isso com ngm.

  12. A magreza extrema da maioria das bailarinas não me enchem os olhos. Sinceramente, acho feio e sinto compaixão. Bailarina não pode estar acima do peso por causa de determinados passos, por causa da sapatilha de ponta… Mas não deve adoecer! A magreza extrema passa a imagem de doença e não de perfeição! Devemos nos cuidar, comer coisas saudáveis, praticar exercícios, como qualquer pessoa… Mas a partir do momento que isso atinge a mente, as emoções, abre portas para anorexia, bulimia, anemia, depressão… e uma infinidade de coisas (ruins).
    Falo isso porque em 2011 fiquei paranóica “não posso engordar, sou bailarina, não posso engordar pois como os meninos conseguirão me levantar???” Estava com anemia e só comia MIOJO! Resultado: fui parar no hospital…
    Hoje, estou com 50kg e tenho 1,58. Me alimento bem, faço exercícios, estudo, trabalho, vou para o ballet e para a contemporânea e estou feliz.

    Parabéns pelo post. Parabéns pelo blog. Te acompanho desde o início de 2011 e só agora tive coragem de comentar. Vou aparecer mais.

    1. Daniele, sinto muito pelo que aconteceu com você. Fico feliz que agora você está bem! Isso é o mais importante, a nossa saúde. Sem ela, a dança nunca estará ao nosso lado. Nossa, você me acompanha há tanto tempo e nunca comentou? Imagina, não precisa ter coragem, sinta-se em casa e comente sempre que quiser, viu?! Adorarei ler seus comentários e opiniões.

      Grande beijo.

  13. Bom estou recomeçando o ballet agora parei por 4 anos pois minhas paixão pelo ballet tinha acabado mas agora voltou eu n sou um exemplo de perfrição de peso tenho 12 anos tenho 1,58 de altura tenho 58 quilos isso me incomoda pois sei que meus esforços serão maiores para emagrecer do que alguem que tem 50 quilos muita gente me fala “vc vai crescer e emagrecer” mas agora que vou voltar a ser bailarina irei fazer o possível e obrigada pela ajuda! Bjoos “-“

    1. Louise, fique tranquila. Eu tenho 1,50m e peso 50kg, sabia? E isso nunca me atrapalhou para dançar. Em todo caso, ao voltar para as aulas, você vai emagrecer naturalmente, pelo próprio esforço das aulas. Por isso, nada de sofrer com isso, tudo bem? =]

      Grande beijo.

  14. adorei o que vc disse!!!!!e concordo plenamente.
    Todas as aulas de ballet q eu praticava ela (professora)me dizia: vc deu uma engordadinha….corte as massas,n jante,e faça abdominais,etc…..
    affff… imagina so ela dizendo essas coisas na frent d todas as outras meninas,a gent si senti meio q constrangida…
    Alias,pq quase todas as professoras d ballet estao acima do peso e querem mandar a gent emagrecer?????

  15. Lendo o post e os comentários, vi que sou privilegiada. nos dois estúdios que fiz aula, nunca ninguém me mandou emagrecer. Acho que em 12 anos de balé clássico ouvi uma vez só que tinha engordado, e isso foi na pesagem anual das alunas (que faziam justamente pra alertar se alguém tivesse emagrecido demais ou engordado demais). E algumas vezes já recebi elogios por estar com uma boa forma física, mesmo sem ser o que a sociedade considera “magra”. Hoje tô fora de forma, e to em bastante “dissonância” com as colegas, e quero sim emagrecer, mas que isso seja resultado de uma rotina de exercicios mais intensa e produtiva e alimentação mais equilibrada(andei exagerando nas frituras e doces, aí não vale né). Como disse a monveras, to mais interessada no preparo físico do que na aparência em si. Se eu puder ter o meu preparo físico em ótimo estado sem precisar emagrecer tanto, perfeito!

    1. Até porque… quem é que vive sem doce? Eu não consigo… Se eu precisar para de comer doce pra ser magra… já era. rsrsrsrs

  16. Falo isso por experiencia própria, faço ballet a um bom tempo, nunca fui gorda , sempre magrinha e baixinha..porém as pessoas achavam isso, principalmente minha primeira professora de ballet , eu tinha 1,50 pesava 46 k, e minha obseção por emagrecer foi aumentando,e o pior ,meu desempenho diminuindo! por isso minhas lindas dancem! dancem para vocÊs ,com sentimentos, porque a dança pra mim é isso, não é um corpo escultural,mas é a sua vontade de estar ali fazendo o que gosta!
    Obs: eu tinha corpo de violão, bundão,coxão e cinturinha! hoje luto contra minha anorexia! parem para pensar amores..

  17. Olá, achei muito oportuno o comentário sobre o peso. Comecei este ano no ballet e me identifiquei muito com você, pois vou fazer 33 anos este ano, tenho 1,54m de altura e peso 49Kg. Na escola em que faço ballet a professora nunca fez este tipo de comentário com as alunas, acho que ela está ganhando pontos com isso. Sou nutricionista formada desde 1998 e tenho mestrado na área de comportamento alimentar. Lidei com crianças obesas por muito tempo, sei bem o que elas sofrem, e já atendi alguns casos de anorexia também. Acho muito preocupante a pressão para a perda de peso, isso em adolescentes pode causar um estrago muito sério, até mesmo adolescentes com sobrepeso que começam o ballet pra perder peso podem sofrer tamanha pressão que desenvolvem a depressão e muitas vezes a bulimia nervosa (o ato de por pra fora o que comeu, no intuito de perder peso a qualquer custo). Os professores devem tomar cuidado com o que dizem e no momento em que fazem tal comentário. Acho que a orientação adequada é importante, mas para o bem da saúde física e da qualidade de vida. Por isso, sempre tive a mesma crítica, como profissional, aos professores de educação física e outros do meio, como a dança, que acham que possuem conhecimento suficiente para falar sobre a alimentação de seus alunos, acho que todos devem procurar cursos e orientação com os profissionais adequados para que os alunos tenham resultados mais positivos em relação a qualquer prática física. É muito difícil ouvir um profissional como este dizer, procure um nutricionista, ou profissional especializado em alimentação. Fica aí o alerta. Parabéns!!

  18. Essa postagem foi de uma perspicácia incrível! Me identifiquei muito com todos os tópicos, até porque tenho garimpado muitas temáticas como esta em outros blogs e o que tenho percebido é que existe sim uma ditadura da “magreza” para quem dança o Ballet Clássico, e a maioria das opiniões é a favor disso, contudo as bailarinas adultas assim como eu, nem sempre estão no peso ideal, quer dizer próximo ao ideal, já que esse ideal é quase invisível ou que ninguém é reconhecido como próximo de tal. Tenho buscado arduamente emagrecer a fim de ter um desempenho melhor nas aulas, até porque indiretamente, sei que sou cobrada para isso, mesmo tendo a consciência que não serei uma bailarina profissional, pois na verdade busco uma realização de sonho, talvez tardio, mas o que quero é uma qualidade melhor ao executar os movimentos, será que para isso é preciso ser extremamente magra!?… depois do que li no seu blog, farei uma análise melhor, mas tenho certeza de uma coisa, que o melhor é se sentir bem com seu próprio corpo, mesmo que as pessoas se incomodem com ele!

    Obrigada pela postagem!! Seu blog é uma inspiração!

    Abraços.

  19. Parcialmente concordo. Você nunca ouviu “Mantenha-se assim” ou “Fulana está com o peso ideal”, mas não significa que todas nunca ouviram também. Eu já ouvi. As bailarinas não tem de emagrecer para sempre. “…A gente conta os ossos das costelas, mas ainda não está bom…”, oras, tenho duas colegas de turma que precisam engordar. Além disso, tem-se um padrão para o palco. E se as professoras parassem de avisar? Poxa, elas não podem adaptarem-se aos nossos problemas. A dança não deve adaptar-se a nós.
    O sério erro é como a bailarina resolve emagrecer, parar de comer o necessário para deixar-se em pé. Ela deve comer normalmente (a não ser que seu normal seja muito gorduroso e açucarento) e fazer mais exercício físico, abdominais… Ela deve ser saudável para o Ballet, que exige do corpo.

    1. Por isso que eu digo que essa frase “Você tem de emagrecer!” não deve ser dita jamais dessa forma, assim, sem mais nem menos. Dizer isso assim é extremamente irresponsável!

      Não vejo como possa haver relação entre uma bailaria magra ser sempre melhor que uma bailaria gorda ou acima do peso. Comparar uma bailaria com a outra com base no peso é ridículo, totalmente preconceituoso e sem base nenhuma.

      Mas e quando você compara dois momentos da mesma bailarina? Aí sim! Pode ter certeza de que isso é 100% das vezes: Uma bailaria com melhor preparo físico vai ser SEMPRE melhor do que uma bailarina com menor preparo.

      Preparo físico é diferente de peso. É diferente de gordura.
      Preparo físico é preparo físico.

  20. ADOREI !
    O pior é que todo bendito professor de Ballet faz essas coisas, sempre fazem um comentário sobre o nosso corpo. No meu caso, até comparações ele faz !
    Isso é o que me magoa, dançar não tem nada a ver com ser gordo ou magro… Eu sinceramente não sei da onde esses preconceitos vêm. Mas no futuro, quando eu tiver uns 30 anos, vou abrir uma academia, aaaaaaah eu vou ! Não quero ninguém magrelo na minha academia, todo mundo tem que ser saudável e feliz. FIM DE PAPO.

  21. Concordo. Tenho 1,65m e meu peso varia de 65 a 67 Kg. Tenho pernas grossas, peito e um pouco de bumbum (risos). Eu tenho, sim, sobrepeso. Mas eu amo ballet, acho que o momento que me sentia mais livre era nas aulas. Ainda faço, mas sabe como é. Por você não ser magra que nem o resto da turma, a professora não olha pra você, te coloca no fundo da sala e fazendo passos simples na coreografia. Nós vamos dançar uma variação de Mirlintons mês que vem, e quando pedi educadamente pra professora de poderia aprender o papel da solista, ela me olhou friamente e ignorou. Acho que diferente das meninas que passam por aqui e se acham gordas por pesar 51Kg, eu sou gordinha de verdade, e sofro discriminação por isso. Eu vou numa nutricionista ainda esse mês, pois uma colega me disse que antes de adoecer e perder quase 20Kg de uma só vez(ela teve anemia), engordou bastante(meu caso). Mas eu nunca havia reparado nisso, até que pensei: ‘Por que minha professora sempre coloca as meninas mais magras como destaque, se eu sou tão boa(e sem querer me gabar, às vezes melhor) que elas?’. É realmente deprimente, ficar sem comer doces e todas essas coisas gostosas e continuar engordando. Uma vez vi um vídeo, uma bailarina que na minha opinião devia pesar +- 70Kg(o que a sociedade tacharia de ‘gorda’). Ela era LINDA, dava de 10 a 0 em todas as outras magrinhas. E toda vez que vejo, imagino por que minha professora não vê em mim o que a professora daquela menina viu nela. Acho que deveriam parar de pensar em magreza e pensar na beleza dos movimentos. Ambos os dois extremos são ruins, não se pode ser magérrima nem ter muito sobrepeso. Você ter que dançar com o que tem por dentro, não por fora :/

  22. Eu concordo com você, Cássia. Acho que já está mais do que na hora do mundo da ballet (e digo isso até ao profissional) começar a respeitar e mais, aprender a admirar a diversidade de tipos físicos que as pessoas tem. Não estamos falando de sobrepeso e obesidade, pois estes são problemas de saúde e devem ser tratados independente de ballet. Mas até mesmo um sobrepeso não deveria ser um motivo pra não começar a fazer ballet, pois o mesmo ajuda a perder peso, pelo ensino da disciplina a ajuda terapeutica da dança… Eu confesso que tenho alguns preconceitos e ainda acho que no palco a bailarina deve ser esbelta, mas num nível saudável, sei que não pode ser e não é normal aquelas bailarinas que, por exemplo, não tem quase nada de peito, são totalmente sem curvas, sem massa muscular…. Existem bailarinas profissionais que não são assim e dançam lindamente… Não se pode deixar o ballet anular a vida real, de que adiante ser bonita aos olhos de um jurado ou professor mas se sentir um varapau, uma tábua feia pro resto do mundo?

  23. Concordo em grande parte, mas penso que dar opinião no que não nos compete é fato corrente em qualquer lugar, pouquíssimas pessoas, e vejo em você uma delas, é capaz de dizer que não tenho uma opinião formada sobre o assunto ou não tenho conhecimento para opinar.
    Um outro ponto é que há uma demanda do lado das alunas, quando uma coreografia não passa numa competição ou porque uma aluna é colocada em determinado lugar de destaque em detrimento de outra, elas querem saber o porquê e muitas vezes a questão é estética, quem assiste ballet, quer ver beleza também. Eu sei que existem muitos outros fatores a serem levados em consideração, mas o ballet é competitivo mesmo em dentro de escolas amadoras e a diferença entre uma e outra bailarina pode ser realmente só o peso.
    E o ballet é uma arte que tem o perfeccionismo do esporte, os extremos são sempre valorizados, não há excesso de an dehor, excesso de flexibilidade, excesso de equilíbrio, escesso de colo de pé…
    Não é que eu discorde da sua crítica, mas acho que ela foca talvez demais nos educadores, quando na verdade, trata-se de um senso comum de toda a “comunidade do ballet”.

    1. “foca de mais nos educadores…” acho que um curso que não tem um objetivo educacional teria que estar bem clara na sua proposta. Uma proposta que leva exclusivamete a formação de telentos, através da seleção, não é errada, portanto que seja honesta.

      O que não deve acontecer é seguinte. Uma escola de dança onde as crianças e adorescentes estão estudando a arte como ferramenta educacional (pois as escolas têm todo discurso elaborado para isso) adotar atitudes que sejam incoerentes a sua proposta. Valores como respeito às diferenças,cooperação e saúde são inerentes ao processo educacional. Independente da situação.

      Sempre falo isso. A dança tem três objetivos bem distintos. Arte, educação e terapia. Embora os valores se misturam em certos momentos, não podem ser confundidos. Jamais.

      Se eu coloco minha filha numa escola de ballet, não seria pq quero que ela seja uma bailarina, mas pq espero que ela possa trabalhar o corpo, a mente e que tenha oportunidade de vivenciar a arte para que seja uma pessoa mais completa. Acho que grande maioria dos pais pensam assim. Espero sinceramente que um slogan como “educando através da arte” seja verdadeira, e que minha filha não passe por situações anti-educacional.

      E grande maioria das escolas tem como objetivo a educação. Se não fosse, nem conseguiria tantos alunos. Dessa forma, a discussão tem que destar focada nos educadores.

  24. Acho extremamente grosseiro alguém comentar algum aspecto do nosso corpo, de forma leviana. Nosso corpo é nossa casa, moradia da nossa alma. Tem que ser respeitada, sempre. A coisa piora quando isso ocorre numa sala de aula, onde o objetivo maior deveria estar em promoção de autoconhecimento e desenvolvemento de respeito e amor pelo proprio corpo. Isso é o ponto de partida, sem isso, como poderiamos dançar? Cada corpo tem sua essência, peculiaridade, personalidade, modo próprio de expressar. Por isso a dança se torna tão belo.
    Um profissional de ensino na dança deveria ter muito cuidado. Trabalhar com corpo e a expressão é muito delicado, pois o processo emocional está sempre intimamente relacionado, mesmo que não seja tão aparente.
    A supervalorização de magresa no bellet clássico chega ser insana. Ouvi dizer que, nas grandes companhias a exigência é altura(cm)-120.Significa que uma bailarina da minha altura (156) tinha que pesar, no máximo, 36 kilos! Existem bailarinos profissionais que recusam a levantar mais de 50 kilos…
    Mas que seja… são profissionais…. Agora, numa sala de aula, a valorização da saúde e da individualidade deveria ser considerado como pontos básicos. Quem não consegue praticar isso, não deveria estar lecionando.

    1. Quer dizer que eu teria que pesar 40kg para ser profissional? Difícil, hein?
      Depois de adulta, já cheguei a pesar 46 kg. Era só cabeça sustentada por um pedaço de pau. rs

  25. A primeira coisa que me disseram na 1ª escola que visitei para perguntar sobre o Ballet Adulto Iniciante: “Você precisa perder um pouco de peso”.
    Eu tenho 1,60m e 51kg (variando 1kg a mais e a menos a depender do dia)

    Mas até que eu concordo… EM PARTES.

    Não sou cega. Sei que anda sobrando uma gordurinha no collant. Mas a questão não é de peso, mas de preparo físico. Até um determinado limite, quanto mais gordura você diminuir, melhor. Mas não é só perder gordura, ganhar músculo também, porque a gente precisa de força para realizar os exercícios.
    Também não sou nutricionista, mas que eu saiba, músculo pesa mais que gordura, não? Então, quanto mais gordura você substituir por músculos, seu peso vai aumentar.

    Então não é uma questão de peso, mas de preparo físico.
    E eu acredito que um maior preparo físico permite a bailarina ser melhor.

    Mas aí, quando a pessoa faz ballet porque gosta e não porque quer ser profissional… quem tem que decidir quanto de gordura deve sair e quanto de músculo deve ganhar é a própria aluna! Vai depender sempre do que ela quer para si, para a sua vida e para o seu Ballet.

    Pelo menos é isso que eu acho.

    1. Gente, te mandaram emagrecer pesando 50 kg com 1,60?? mas isso já é ser magra! eu tenho 1,62 e minha meta de peso(coisa pessoal, ninguém fica me mandando emagrecer) é 50-52 kg. Acho que se ficar abaixo disso eu viro só carne e osso :P

    2. Mas Rafa… por isso que eu digo que o povo fala de emagrecer sem entender. Acham que é perder peso.

      Depois que comecei o ballet, meus músculos estão aumentando e eu estou diminuindo gordura. Ontem pesei 51kg… (1 kg a mais) e minha professora comentou que eu estava mais magra.

      Pra você ver… rs

  26. Cássia, você tocou na minha maior ferida: O peso. Não sou gorda. Não tenho sobrepeso. Estou no meu peso normal, muito bem, obrigada. Minha mãe tem distúrbios alimentares muito graves há mais de 20 anos. Porém, ainda assim, quando eu piso na sala de aula, me sinto o elefante. Não só por não ser extremamente magra, mas por ter corpo: Bundão e coxão. Acho que muitas alunas acabam criando um problema de auto-estima muito sério por tentarem, todo o tempo, se comparar com as outras alunas. Sim, eu sou a aluna com mais corpo — mas também sou a que tem a perna mais desenhada. Na minha humilde opinião, o que precisamos é parar com essa crítica tão severa e começar a apreciar nossos próprios corpos, nossos instrumentos, nossa dança. Começar a ter como exemplo o melhor que podemos ser, e não as outras alunas. Somos bailarinas adultas, todos os nossos sentimentos com relação ao ballet já são maximizados, não precisamos de mais críticas banais. Vamos parar de sabotar a nós mesmos.

Os comentários refletem a opinião das leitoras e dos leitores e não correspondem, necessariamente, à opinião da editora do blog.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s