Quando a Ópera de Paris e o Bolshoi Ballet se encontraram

O teatro, o corpo de baile e o bailarino principal são do Bolshoi Ballet. A bailarina principal, da Ópera de Paris. Cada qual usando seus figurinos de origem. Metade da coreografia é de “Paquita”, de Pierre Lacotte para a Ópera de Paris. A outra metade, da reconstrução de “Grand Pas Classique de Paquita”, de Yuri Burlaka para o Bolshoi Ballet. Ah, como eu sei? Eu comparei as coreografias.

Essa reunião deu origem a este grand pas de deux.

Myriam Ould Braham (première danseuse da Ópera de Paris), Nikolai Tsiskaridze (primeiro-bailarino do Bolshoi Ballet) e corpo de baile (Bolshoi Ballet).

Eu nunca fui fã do primeiro papel de “Paquita”, pois conseguiram me fazer mudar de ideia. Além disso, que Agrippina Vaganova me perdoe… mas minha alma de bailarina é francesa. Como eu queria encontrar uma escola no Brasil que ensinasse pelo método francês! E não falo isso por falta de amor ao método russo, pelo contrário, mas porque ele não foi feito para o meu típico físico (mas isso é assunto para outro dia).

*
Esse trecho faz parte do “Gala de Encerramento pelo ano da França na Rússia”, em 2010. O espetáculo completo pode ser visto aqui. Descobri o link no Facebook ou no Twitter, mas quem disse que eu lembro de onde tirei? Só por isso não coloquei a fonte.

Anúncios

6 comentários sobre “Quando a Ópera de Paris e o Bolshoi Ballet se encontraram

  1. realmente ficou lindo, e devo concordar com você em algo, paquita nunca foi meu papel favoritos dentre os ballets mas agora eu fique deslumbrada tanto com a Myriam Ould Braham quanto com o Nikolai Tsiskaridze, mas algo que sou contraditória é o fato que minha alma é russa, inteiramente voltada para o método Vaganova, talvez por dança-lo e conhece-lo melhor que os outro, como o francês e Royal, o russo para mim é o que mais me tira o folego, que me faz sonhar sempre…. rsrs
    como sempre adorei!

    bjs

  2. Cássia, você está fazendo pós em dança, porque não escreve o seu próprio livro? Transforma esse blog excelente em um livro, já que existe tanta carencia sobre o assunto, eu compraria com certeza

  3. Oi Cássia! Adoraria saber mais sobre as diferenças entre o método francês, o russo, do Royal, do Balanchine… Assistindo os vídeos dá pra perceber diferenças, mas eu acho a história e teoria por trás desses movimentos muito interessante…
    Quando tiver tempo, fica a dica!
    Obrigada sempre pelos lindos posts!

    1. Ania, eu já pensei em fazer um post assim, mas ele é inviável. São sete métodos, até onde descobri, e conhecê-los profundamente a ponto de escrever decentemente sobre cada um é complicado. É difícil encontrar material a respeito de todos. Eu queria, pelo menos, um livro sobre cada método. Talvez eu faça um post só para relatar quais são eles, mas muito longe de explicá-los. Em breve eu farei, pode deixar. ;)

      Grande beijo.

    2. Também acho isso interessantíssimo! Na verdade a maioria das pessoas não sabe que existem diferenças entre os métodos. Tu poderia Cássia, colocar os mais conhecidos, francês, russo e o do Royal. E identificá-los, tipo, as diferenças “bruscas”.. aguardarei esse post!

Os comentários refletem a opinião das leitoras e dos leitores e não correspondem, necessariamente, à opinião da editora do blog.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s