Para pensar (2)

Talvez não fosse preciso explicar, mas é sempre bom: não levem o texto a seguir ao pé da letra. Leiam além das palavras. Não é um incentivo para todo mundo largar o estúdio onde está, mas de pensar qual é o papel do professor no processo de aprendizagem. E isso não vale apenas para o ensino do ballet clássico.

“Posso dar alguns exemplos, com base no que conheço dos estudantes num ateliê de arte. Chega um momento em que eles aprenderam o que o artista podia ensinar-lhes. Assimilaram a técnica e estão prontos para o seu próprio voo. Alguns artistas permitem aos estudantes que realizem isso. Esperam mesmo que o estudante voe para longe. Outros pretendem fundar uma escola, e o estudante descobre que é obrigado a ser grosseiro com o professor, ou a falar mal dele, para empreender o seu próprio voo. Mas isso é culpa do professor. Ele devia ter sabido que era tempo de o estudante voar. Os estudantes que eu conheço, os que têm de fato valor, como estudantes, sabem quando é o momento de darem o fora.”

Joseph Campbell, em O poder do mito, p. 164.

Anúncios

4 comentários sobre “Para pensar (2)

  1. Eu concordo com a Priscila. Mas também há outros casos que não esses, e eu posso falar por mim mesma.

    Houve uma postagem aqui mesmo que eu contei por cima os 3 principais tipos de professores de ballet que tive em minha vida, e mencionei que a primeira era do tipo negligente e sem pulso firme. Acredito que uma coisa é respeitar alunos que estão na dança por hobby, e outra bem diferente é não disciplinar nem estimular o crescimento de ninguém: tanto dos que desejam dançar para valer, quanto dos que estão ali por diversão. Deixar aluna ir com cabelinho solto pra não desmanchar a escova, cheia de penduricalhos, usando roupas inadequadas aos exercícios, e não dizer um “a” ao vê-la brincando e atrapalhando os ensaios e as aulas em geral para mim foi a gota dágua. Parecia realmente que ela não tava nem aí pra gente!

    Hoje não estou no ballet (por enquanto), faço dança do ventre, e percebo CLARAMENTE a imensa diferença entre uma professora omissa e outra que não força os alunos a fazer algo que não estão ainda preparados. E minha professora de dança do ventre tem uma autoridade dentro e fora da sala de aula que não é desse mundo; uma autoridade serena, que só uma pessoa que gosta do que faz, e valoriza verdadeiramente seus alunos, é capaz de ter! Ela sempre nos ensina sorrindo, com muita paciência em relação às alunas que têm mais dificuldades! Estimula nosso crescimento, e nos eleva ao invés de destruir nossa auto-estima e confiança! E ela faz tudo isso elogiando nossos reais pontos fortes, sem babar ovo, nem se esquecer do que temos que melhorar!

    Vou repetir uma ideia que disse no outro post do qual falei acima: tenho a esperança de que os professores de ballet se tornem assim: firmes, porém respeitosos; objetivos, dinâmicos e decididos, mas sem fazer o aluno se sentir um verme diante dele! Que saibam exaltar e incentivar o que seu aprendiz tem de melhor! Que tenham paciência e perseverança em corrigir suas fraquezas, sem intimidá-lo! Que entendam a diferença entre ser “bonzinho” e ser “bobo”! Que se orgulhem ao ver que o aprendiz superou o mestre! E que nunca cortem as asas de seus alunos!

  2. Cássia, eu acabei de achar um vídeo e acho que vai te interessar:

    É o trailer de um documentário que fala sobre pessoas que começaram a fazer Ballet na fase adulta. Não sei se você já viu.
    É em inglês e é só o trailer, mas eu achei tão bonito.

  3. Não sei se estou interpretando corretamente o texto ( se não, por favor me corrija), mas tenho percebido em várias situações da vida professores que temem que seus alunos sejam grandes, mas bem vistos que eles próprios. Ora, o verdadeiro professor tem prazer no sucesso de seu aluno, pois isso indica que seu trabalho foi muito bem feito. Será que muitos professores de ballet que criticam seus alunos, que afirmam que eles jamais se tornaram grandes bailarinos é porque não conseguiram isso?

Os comentários refletem a opinião das leitoras e dos leitores e não correspondem, necessariamente, à opinião da editora do blog.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s