Palavras de Sylvie Guillem (1)

Dia desses, na página do The Ballet Bag no Facebook, vi uma entrevista com a Sylvie Guillem publicada na revista AnOther. Eu poderia simplesmente repassar, mas alguns pontos são tão relevantes que achei mais produtivo compartilhar em um post.

Fonte: Punkgeisha

Meu problema com a dança é que ela pode seguir uma receita que é muito eficiente, mas é apenas uma receita. Nesse caso, será bom, mas não será excelente – não será excepcional, não será extraordinário. […]

O trabalho tem de ser pessoal, caso contrário, não há envolvimento – você não está lá, você está apenas reproduzindo algo que não é seu, e você não é você mesmo quando está fazendo isso, então, qual é o propósito? Pode ser muito agradável de olhar [de assistir], mas não é para alguém, e ninguém vai recebê-lo. Não há troca com o público se não é pessoal, se não há sua identidade nele. […] Se você está fazendo dança clássica ou moderna, é sobre suas escolhas – suas escolhas de como fazer as coisas, como encontrar sua informação, o quão longe você vai pelo trabalho, o quão longe você empurra a disciplina, o quanto você luta contra os limites. […]

Quando eu era jovem, a disciplina era tão difícil e há uma espécie de código, tudo tem o seu papel dentro da caixa, mas para ser capaz de seguir isso e ser feliz dentro das restrições – essas regras – você precisa ser guiado por seu sonho. Nunca fui impulsionada por um sonho. Eu nunca fui impulsionada por ser uma bailarina e isso me deu uma ampla oportunidade de escolhas. […]

As regras que governavam esse sistema não eram para mim – o que era importante para mim era que eu estava experimentando. Eu tinha um forte instinto, e era uma espécie de animal em minha reação quando alguém me dizia: “Você tem de fazer isso!”. Se para mim não era relevante ou não tinha um propósito, eu respondia, “Não. Sinto muito.”

AnOther, Art Talks | Sylvie Guillem, 5 jul. 2011.
Para ler a entrevista completa, aqui.

*

Longe de pregar a rebeldia, entendo claramente essa postura de Sylvie Guillem ao longo de sua carreira. Extremamente talentosa, não apenas por ter esse físico além dos limites do comum, ela sempre foi dona de sua dança. Dona de sua história. Tanto é verdade, que poucas pessoas sabem que ela foi primeira-bailarina da Ópera de Paris, com apenas 19 anos, e convidada do Royal Ballet. Tanto é verdade, que Sylvie Guillem continua sendo vista como uma das maiores bailarinas do mundo, mesmo aos 46 anos de idade.

A impressão que eu tenho é que ela está apenas começando. Para mim, ela é um exemplo de artista e sempre será uma grande inspiração.

Anúncios

4 comentários sobre “Palavras de Sylvie Guillem (1)

  1. Puxa, muito profundo. Até fui lá no link ler a entrevista inteira, e nossa! Realmente me deu o que pensar…
    Não sei se fujo muito do tema do blog, mas fiquei pensano no que ela falou para outras áreas também, sabe, esse ano tenho que escolher minha faculdade, e fiquei pensando naquilo que ela falou sobre a receita comum, sobre colocar de si em tudo que faz, sobre os desafios e ter que aguentar as regras pelos sonhos…
    Sei lá, acho legal aplicar algumas coisas importantes na dança para a vida também, creio que somos pessoas completas, e o que amamos fazer acaba afetando tudo…
    Desculpe se viajei na maionese :p
    Obrigada por compartilhar essas palavras tão lindas conosco, Cássia!

    1. Ania, você não viajou não. Concordo com você, o que a Sylvie disse não vale apenas para a dança, mas para a vida de uma maneira geral. Quanto mais eu leio entrevistas dela, maior é a minha admiração.

      Grande beijo.

  2. Concordo totalmente com o que você disse!
    Principalmente com as últimas frases.

    Beijocas!
    (e obrigada por me apresentar Sylvie Guillem)

  3. Amei,muito profundo mesmo. Acho que é isso que muitas bailarinas sentem vontade de dizer. Não há como emocianar o público se você mesma não se emociona,isso é muito arbitrário. Muitas vezes vemos coreografias relativamente simples,mas que arrancam lágrimas da alma. E isso é o que realmente importa. É por isso que somos ou desejamos tanto ser bailarinas.

Os comentários refletem a opinião das leitoras e dos leitores e não correspondem, necessariamente, à opinião da editora do blog.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s