Respira fundo e gira!

Em uma aula, conversando sobre um assunto qualquer, falamos sobre raiva. Eu disse: “Não é bom sentir raiva, vai para o fígado”. E a minha professora sabiamente respondeu: “Não, vai para o giro”.

De nada adianta fingir que a raiva não existe. Sim, ela existe e resolve aparecer sem aviso. A grande questão é transformá-la em algo produtivo.

Eu ainda não sei fazer fouettés. Ainda. Mas há uma gama de giros que são excelentes para extravasar essa energia toda.

Cena de Black Swan. Repostei aqui.

Antes que vocês me perguntem, não aconteceu nada específico e pontual para a raiva surgir. Eu só penso sobre muitas coisas ao mesmo tempo, tenham relação direta com a minha vida ou não, e para a minha mente aquietar eu tenho de deixar meu corpo falar. E só o ballet consegue deixar meus pensamentos em paz. Por isso, amei a ideia da minha professora. Assim, quando a raiva surgir, já sei onde descarregá-la.

Anúncios

15 comentários sobre “Respira fundo e gira!

  1. Tenho visitado teu blog , mas hoje deixo um recadinho , porque é muito bom estar aqui.Sinceridade nas palavras e partilha nos sentimentos fazem muito bem. Parabéns !!!!!

  2. Gostei desse post.Porque, de certa forma, uma coisa não anula a outra: a raiva tem que ser colocada pra fora, tem que ir pra algum lugar. Melhor indo para os giros, certo?

    Beijos, Cássinha!

  3. cássia, oi.
    hoje descobri seu blog, e que felicidade.
    ler esse post e me lembrar de uma coisa me fez querer dividir com você.
    eu ainda não sei fazer um fouetté e, como você, acho impossível viver sem raiva. primeiro acreditava que transformar raiva em fúria e depois em trabalho era o que eu precisava fazer. quando digo trabalho pode ser qualquer. meu trabalho do horário comercial, textos, coisas pro blog, fazer força na natação. mas semana passada bati o carro indo pro ballet. foi muito simbólico, porque apenas arranhei a pintura do carro alheio e ainda assim fui muito humilhada, aos gritos, no meio da rua. na hora, não consegui sentir muita coisa, de tão assustada e acuada, mas tenho certeza que todo o sentimento foi transformado na aula (cheguei a tempo!) e que qualquer expressão do sentimento na dança fica em favor do viver melhor, como um ponto na regra pra suportar alguma coisa ruim da existência. cada um tem a sua. hoje minha regra envolve a dança.
    dancei alguns anos e parei aos 12, muito desmotivada porque o ballet era muito caro, porque as fantasias custavam uma fortuna no fim do ano e nós, que não pagámos milhares de reais pelas fantasias, ficávamos fora do desenho de palco dos ensaios, e, portanto, sem aulas. hoje resolvi voltar, com 28 anos, e como é bom constatar que com disciplina e dedicação a memória do corpo resgata o impensável.
    obrigada pela sua generosidade em escrever esse blog. um grande beijo.
    ps: diga a sua professora que eu não sei nem quem é ela, mas que esta frase me inspirará durante algum tempo.

  4. Ah, eu totalmente desconto a raiva no grandbattemant a perna sobe que é uma beleza hehehe. Nos giros eu preciso de um auto-controle absurdo principalmente agora que estamos começando a aprender fouéttes.
    Saudades de passar por aqui Cássia, meu tempo está sendo consumido, mas o blog continua ótimo como sempre.
    Beijos

  5. ahaha amei o gif !
    quem me dera tivesse piruetas boas o suficiente pra extravasar viu .. nao tenho o minimo senso de eixo .. tenho treinado todos os dias e ainda nada.. mas quem sabe um dia! haha
    lindo o seu blog!
    beijos

  6. Hahaha. Agora ninguém mais me chama de Mrs Piggy. Se eu fosse girar todas as vezes em que me aborreço, eu não faria 32 fouettés, eu acho que eu ia ficar rodando que nem essa foto aí em cima. Grand battement também é bom para certas coisas.

  7. Concordo plenamente com sua professora! E não apenas na questão do giro, mas uma aula de ballet em sua totalidade opera milagres se vc está estressado ou com raiva. Passei por um momento desses ontem e digo que o ballet é maravilhoso pois sempre estará lá para me receber e me acalmar!!

  8. Cássia, giros são minha maior dificuldade… Quem sabe se eu começar a concentrar minha raiva neles, saio girando por aí??? Hahahah

    Bjs!!!

  9. cássia, me explica uma coisa? a roberta marquez é primeira bailarina do royal, mas a marianela nunez tbm não é? pode ter mais de uma primeira bailarina?

    1. Rececca, sim, em todas as companhias há mais de uma primeira-bailarina. O termo “primeira-bailarina” designa o nível mais alto dentro da companhia, mas em algumas companhias, o termo utilizado é “principal” e na Ópera de Paris é “étoile” (estrela). Não existe apenas uma primeira-bailarina (ou bailarino) porque uma só jamais daria conta, são muitos espetáculos, ensaios, viagens, ou seja, é necessário ter rotatividade. Para você ter uma ideia, só no Royal há 14 primeiros-bailarinos, entre homens e mulheres: http://www.roh.org.uk/discover/thepeople/principals.aspx

      Beijos.

  10. Quando eu chegar no ballet, e nos fouettés, eu vou entender a dica.

    P.S. amei a imagem! Como a Natalie gira bem, ela fez + que os 32!!! Vamos dar o prêmio Nobel para ela!!

    RsrS! Amei a imagem mesmo!!!! Achei muito cômico

  11. Fouetté é perfeitinho pra raiva mesmo! cada chutinho desse deve dar uma descarregada… é por isso que eu jogo Maldita Paloma no face. Sem brincadeira.

    Beijocas!!

Os comentários refletem a opinião das leitoras e dos leitores e não correspondem, necessariamente, à opinião da editora do blog.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s