Quando a dublê quer o papel principal

Vou resumir basicamente para quem desconhece a história. No filme Black Swan, Natalie Portman teve duas dublês: Kimberly Prosa e Sarah Lane. A primeira foi a dublê principal e a segunda foi responsável pelo trabalho de pés, diagonais e fouettés.

Há alguns dias, Sarah Lane, solista do American Ballet Theatre, disse em uma entrevista à Dance Magazine (que não encontrei) que não foi creditada como dublê. Não só, contou que foi proibida de dar entrevistas à imprensa, a fim de que todos pensassem que Natalie transformou-se em primeira-bailarina em apenas um ano e meio. Benjamin Millepied, coreógrafo do filme e namorado de Natalie, contestou as declarações e afirmou que a mãe do seu rebento realizou 85% das cenas de dança. Enfurecida, Sarah Lane rebateu e disse que Natalie fez apenas 5% das cenas de dança. Não satisfeita, afirmou querer apenas que o ballet tenha o reconhecimento que merece.

Por enquanto, fim da história.

Quando o primeiro barraco surgiu, a Lettícia, leitora do blog, colocou o link da notícia nos comentários e falou que seria bacana eu comentar a respeito. Eu já sabia e meu sangue tinha subido fortemente. Eu me neguei a comentar, porque não queria falar sobre o assunto. Mas agora o meu sangue não apenas subiu, ferveu. E, ainda bem, eu tenho um blog para desopilar o meu fígado.

Vamos aos fatos.

O nome de Sarah Lane realmente não aparece como stunt (dublê), mas como lady in the lane, algo como “moça na pista”, ou seja, uma figurante. Porém, não encontrei os créditos oficiais do filme. Pelas várias listas que pesquisei, há profissionais  que constam em uma e faltam em outra (por exemplo, aqui e aqui). Logo, não é possível afirmar se ela foi, de fato, deixada de lado.

Ela está certa em exigir o crédito? Claro que está. A questão é: por que ela não aparece como dublê? Eu não tomo partido de nada, nem de ninguém, sem antes saber os dois lados de uma história. E, nesse caso, há motivos para não levá-la muito a sério. E por quê?

Em primeiro lugar, ela fez um barraco público. Eu penso da seguinte forma, “apelou, perdeu”. Salvo no caso do crédito, as suas afirmações não se sustentam. E ninguém pode alegar desonestidade de uma parte se ela própria não está sendo idônea. E Sarah Lane não foi.

1) A dublê principal não foi ela, mas Kimberly Prosa. Sarah a citou alguma vez? Já Kimberly fala da companheira de set aqui.

2) Ela afirma ter sido proibida de dar entrevistas falando sobre o filme antes da entrega do Oscar, mas qual o nome disso na Dance Magazine de dezembro de 2010? Ah, uma entrevista! Aliás, ela reclama quase o tempo todo, inclusive, de ter repetido 40 vezes a coda do cisne negro. Ou seja, sequer entende e respeita como uma filmagem funciona, mas exige respeito pelas peculiaridades do ballet clássico.

3) Segundo Sarah, o estúdio quis esconder o seu trabalho como dublê para que Natalie Portman fosse vista como primeira-bailarina. A Fox publicou diversos vídeos sobre a produção, e listei todos mais adiante, e um deles refere-se aos efeitos visuais. Eu assisti na época da publicação e havia três cenas, sendo duas diagonais e os fouettés de frente para o espelho, em que era mostrada a substituição do rosto de Sarah pelo rosto de Natalie. Não só, a Sarah aparecia claramente. Se a intenção era esconder, por que logo a produtora iria mostrar como as cenas foram feitas? Dias antes do Oscar, o vídeo foi alterado e as cenas da substituição do rosto foram cortadas. Agora vocês dizem: “Aí, ela tem razão”. Não tem. Os votos já estavam em posse da Academia, sendo contados. Naquele momento, já não faria diferença. A grande questão é o motivo desse fato e aposto que nunca saberemos.

Com isso, Sarah conseguiu o efeito contrário: quer reconhecimento do ballet clássico, mas coloca as bailarinas como barraqueiras invejosas. Sim, meus caros. É assim que ela se mostra, por um motivo simples. Ela não quer apenas o crédito, ela quer o mérito. Ao desqualificar o trabalho de Natalie Portman, põe em cheque o Oscar que esta recebeu, sem entender e aceitar que o prêmio foi para o seu trabalho de atriz. Quem ganhou não foram os fouettés, os pés na ponta, as diagonais. Foi a transformação visível de um cisne branco em negro. Assistam ao vídeo. As mudanças nas feições da Natalie deixam claro o quanto ela mereceu o prêmio máximo do cinema.

Sarah Lane não foi o verdadeiro cisne. A menos que a gente ache que técnica é arte. Porque não é. Técnica é o meio, não o fim. E podem me xingar à vontade, mas vejo nessa atitude de desmerecimento público algo típico de quem não aceita novatos no ballet. Essa foi apenas a ponta de críticas que foram feitas durante todo o tempo. Parece que o mundo do ballet diz a todo instante: “Como uma atriz ousa interpretar uma bailarina e, ainda por cima, ser reconhecida por isso? Ora, eu faço ballet há duas, três décadas, quem ela pensa que é?” Ela é atriz. Seu trabalho é nos convencer de que ela é quem realmente a personagem afirma ser. E Natalie Portman nos convenceu que era uma bailarina. Ela não disse que é. Enquanto o mundo das sapatilhas está rasgando tule de raiva, Natalie Portman já interpretou uma médica, em Sexo sem compromisso, e viveu no reino celeste de Asgard, em Thor. Ela continua com seu trabalho, continuem com o de vocês.

Sarah Lane, aceite, você foi apenas uma dublê. Você merece o crédito, não os louros. Não transforme as bailarinas em seres que se acham mais do que realmente são. Há uma série de profissionais que fizeram o filme ser o que é. Muitos. Você foi um pedacinho e, por favor, tenha a dignidade de se comportar como tal.

Quando Jenifer Ringer foi entrevistada no programa da Oprah Winfrey, ela disse que gostou de Black Swan, mas achou exagerado do meio para o final. “As bailarinas não brigam de tutu no camarim.” Tem razão. Elas fazem isso publicamente, pela imprensa, para todo mundo saber.

*

Quer conhecer um pouco do processo do filme? Basta clicar nos títulos e se divertir.

Production and Aronofsky
Darren Aronofsky
Natalie Portman’s Training
Natalie Portman
Production Design
Sound Design
Visual Effects Reel
Dancing with the Camera
Mirrors
Costume and Makeup
Swarovski

ATUALIZAÇÃO: O diretor do filme, Darren Aronofsky, lançou uma nota sobre o assunto. Para ler, aqui.

Eu não falarei mais sobre isso. A minha opinião está clara no post. Eu defenderei o filme, o diretor, a Natalie e o cinema. E quem não é leitor constante do blog, mas só quer brigar, pode ficar onde está. Para mim, uma coisa ficou clara com esse episódio e demais afirmações a respeito: o ego se transforma em um gigante quando alguém coloca sapatilhas nos pés. Eu suspeitava, mas agora eu tenho certeza. E antes que me agridam, não se esqueçam, eu também faço ballet clássico. Estou falando do meu próprio quintal.

Anúncios

42 comentários sobre “Quando a dublê quer o papel principal

  1. Adorei seu comentário. Concordo plenamente com vc. Falou tudo o que eu penso. E acho que a Natalie merecia muito esse oscar pq fez um trabalho maravilhoso enquanto atriz.

    Bjos

  2. Tirou as palavras da minha boca. E por falar nisso, ODEIO BAILARINAS QUE DESPREZAM NOVATOS. Desprezam novos talentos e tem medo de que entre os novatos pode haver alguém que a “desbanque”

  3. Eu achei excelente a atuacao da Natalie Portman como atriz e acho que seja injustica cobrar dela o que uma bailarina faz. Confesso que o filme nao me impressionou e a falta de tecnica me incomodou. Eu sei que eu deveria olhar com outros olhos, mas eu nao consegui evitar. Bjs

    1. Oi
      Eu gostei bastante da explicação. Acho que vindo de uma bailarina, foi algo muito imparcial e bastante sincero.
      Eu acho que o conjunto da obra deu o óscar para Natalie Portman, não apenas o balé, mas a atuação dela, com os devaneios pscológicos tornaram o thriller.
      Acho que o crédito é devido para o papel desempenhado pelas bailarinas, mas no limite do desempenho delas.

      Minha única ressalva é sobre a votação na academia. A autora do blog achar que cortar a cenas em que substituem os rostos não faz diferença porque os votos da academia já havia sido feitos, sei lá, demonstra que mesmo posteriormente, eles queriam exibir algo perfeito, o que na verdade não é. Sabemos que ela é atriz e se propõe a nos convencer que é uma bailarina e com os efeitos tecnológicos, isso é possível muito facilmente, mas é inegável que tentaram criar uma “aurea” em torno do filme e das habilidades dela, o que é, de certa forma, desonesto com o telespectador, que acredita naquilo que vê e, portanto, acha que a Natalie Portman se sobrepõe ao humano no quesito capacidade.

  4. Amei o filme, vi e revi varia vezes e pretendo ver de novo. A atriz e fantastica e fez o seu trabalho com perfeiçao. Convenceu e mostrou commo e dura a vida de uma bailarina principalmente quando e dedicada e seria. E uma pena q o mundo do ballet e tao complicado e narcisista. A maioria dos bailarinos se sentem superiores, mais importantes q o sol. Eu sou bailarina de music e de shows e fui muito criticada por alguns bailarinos classicos ( alguns q mal havia saido de uma academia) q eu nao era bailarina classica e nem tao pouco podia ser chamada de bailarina ja q eu fazia um trabalhp acrobatico q parecia mais uma ginasta. Na verdade fui ginasta olimpica e nao vejo o porque de nao mesclar as duas coisas e fazer um belo trabalho artistico. A arte e expressao da alma combinada com expressao dos gestos .
    nao e exagero essas brigas dentro dos camarins, e uma guerra de ego, de vaidade, de inveja. Existem truques usados pra destruir o colega de trabalho q so em dizer da arrepios. uma vez qdo eu ia entrar em cena na hora de me vestir minha meias estava toda cortada, uma vez uma bailarina queimou meu cabelo, … Que pena e infelizmente atras daquele mundo de sonho as vezes acontecem de haver muitos pesadelos.

  5. Fico tão feliz em ver que não sou a única bailarina que tem momentos de “ódio” pelos praticantes que usam o ballet de maneira futil para garantir seu status de “artístas”. Gostaria que os ‘técnicos de ballet’, como vc mesma disse acabassem, e que a dança voltasse a ser uma arte maravilhosa, mas ao passo que anda em breve estaremos nas olimpiadas! Sem preconceitos, sou grande admiradora dos esportes, mas não admito quando, por incapacidade impoem uma imensa importancia tecnica na arte, tem coisa pior do que ver aquela atleta maravilhosa dançando uma ballet incrivel com a maior cara de picolé de chuchu??

    Continue seu trabalho,
    com meu apoio mesmo que anônimo!
    abraço.

  6. Pô.. bacana.. eu faço o meu comentário e você simplesmente apaga? Onde está a possibilidade de expressão de cada um??

  7. Eu não sou especialista em nada.. mas o que você vê a Natalie Portman treinando, nas filmagens dos treinos mesmo, você vê ela insegura com o cara levantando ela, ela meio tremendo.. ela amadora demais, desenvolvendo mais a leveza do braço, os movimentos corporais, movimentação de braço e expressão facial, pegando uma idéia geral dos movimentos e tudo.. mas tudo muito básico.. os primeiros minutos do filme mostram movimentos que obviamente ela não seria capaz de fazer. Eu creio sim que a Natalie possa ter adquirido conhecimento, um treino intensivo e tudo mais.. mas o filme mostra uma bailarina master, dando base para um roteiro e para a boa atuação sim.. mas uma bailarina profissional.. nunca uma bailarina de um ano e meio. Porque em qualquer área, um pianista, em um ano e meio você pegaria uma base, nunca um trabalho de uma vida inteira. Em qualquer área. Mas tem ainda outra questão, do filme mostrar que os filmes atuais já não são mais aqueles em que os efeitos especiais eram maquetes, eram coisas reais. Neste caso, a edição do filme conserta os riscos do chão do cenário, adiciona pláteia onde não tem, adiciona uma asa negra no figurino completamente digital, faz efeitos de espelho, que antes seriam feitos com muito trabalho, envolvendo a criatividade de diversos profissionaism, mas hoje aquilo ali só dependeu de bons técnicos de artes visuais. Os filmes de hoje podem ser creditados por terem lindos visuais então?? A fotografia dos filmes é pura ficção também. As pessoas ainda estão na fase de comentar uma celulite alterada por photoshop e a coisa está muito mais embaixo. Posso estar divagando.. e não ser especialista.. enfim.. mas creio que as pessoas defenderem a Natalie por atuação, por isso e por aquilo, parece que estão esquecendo que os filmes atuais são mascarados não só na questão dos dublês mas de cima a baixo, nas cenas, na iluminação, no cenário… em tudo. Transformar uma atriz em uma bailarina convincente é o de menos se for levar em conta todos esses fatores. Mas voltando na questão da dança.. dizer que ela fez 85% das cenas, não tem como ser real. É simples.. para acabar com isso tudo bastasse a Natalie apresentar alguns números, ela repetir os números, no caso, porque ele os fez. Ela podia se apresentar em um programa de TV, sem esses recursos todos… em cinco minutos que fosse… garanto que seria mais rápido do que o longo discurso que ela fez ao receber o oscar.

    1. Lucas, eu não vou rebater o que você disse sobre a técnica da Natalie Portman, porque tudo o que falei está no post. Além disso, a Natalie não precisa provar nada. O Oscar é dela, o filme está feito e pronto. Nada mudará isso. Só uma coisa: cinema é ficção. Pura e simplesmente. É a arte da ilusão. A propósito, arte, por si só, não precisa ter qualquer compromisso com a realidade. Quem não compreende isso, não consegue alcançar qual o propósito de qualquer manifestação artística. E sobre seu segundo comentário, no meu blog, os comentários são moderados. Justamente para bobagens não aparecerem por aqui.

      Abraços.

  8. Eu não entendia muito bem,quando tudo começou. Não sabia se ficava do lado de Natalie,que é excelente atriz,ou de Sarah,excelente bailarina. Acabei ficando do lado de Sarah,porque achava que era negativo para o ballet as pessoas pensarem que dá pra se tornar uma bailarina em um ano e meio. Sarah dança há 22 anos.
    Mas agora lendo seu post,entendi tudo muito bem. Você está certa, Sarah não devia ter se exposto e exposto também todas as bailarinas desta maneira. Ela deve ser creditada como dublê? Sim,absolutamente. Mas não deve receber os créditos como protagonista, porque ela não o foi.
    O trabalho de uma bailarina é árduo sim,mas o de atriz também é. Todos se esforçaram para o filme ser o que é.
    Obrigada por esclarecer.

  9. Parabéns pelo seu texto. Perfeito. É isso aí, a Natalie Portman ganhou o Oscar de MELHOR ATRIZ e não de melhor bailarina. Concordo em tudo com você.

  10. Eu já tinha comentado antes o post da Cássia, mas vendo a lavação de roupa suja que isso se tornou, me senti incomodado para falar. Claro que eu sei que nem todos vão concordar com a opinião dela sobre o assuntoou com a minha, e também não devem, mas chegar e simplismente falar o que vem a cabeça eu acho preciptado demais! Vamos a realidade: SARAH LANE NÃO MERECE O TAL DESTAQUE QUE ELA MESMA TÁ EXIGINDO! Como Cássia disse, temos autoridade para falar do assunto pois támbém faço ballet clássico e me sinto confortável para falar, e digo que bailarinos SE ACHAM SIM MELHORES QUE OS OUTROS, MAS NÃO TO GENERALIZANDO NÃO VIU GALERA! Quem acha que o fato de Sarah Lane estar reclamando está 100% certo, pensa exatamente como ela e como os bailarinos que vêm seus próprios trabalhos com uma lente de aumento! Tem seus egos gigantescos da mesma forma! Eu mesmo me dei ao trabalho de ver os créditos finais do filme e vi que o nome dela aparece como Lade in the lane e como dublê também! Então acho que ela teve mais destaque nos créditos até mesmo do que Kimberly Prosa. E quem acha que apenas dançar e não abrir a boca merece mais reconhecimendo do que se deve, está REDONDAMENTE ENGANADOOO!!!! Quem tá afirmando que o trabalho de Sarah foi importantíssimo para a constituição do filme, realmente precisa captar a verdadeira essência de Black Swan, porque as cenas de atuação de Natalie falaram mais alto do que as cenas de dança, pelo menos para mim! Gente: nao estamos falando de um ballet de repertório, de O Lago dos Cisnes, Giselle, Raymonda, A Bela Adormecida, Quebra – Nozes: estamos falando do FILME BLACK SWAN! O importante é saber atuar e passar emoção e não dançar apenas! Quando a notícia for a de Natalie se preparando para dançar Lago dos Cisnes, aí sim , talvez a Sarah Lane tenha razão em reclamar! MAS POR ENQUANTO NÃO O É!!!

    1. ATÉ QUE ENFIM, alguém entendeu claramente o que eu disse no post. Felipe, posso te dizer uma coisa? Todo o meu amor para você! E muito obrigada pelo comentário, mesmo!

      Beijos.

      P.S. Então o nome dela aparece nos créditos? Nem vou comentar porque não precisa.

  11. Eu ouvi sobre essa polêmica…
    Eu concordo com tudo o que você disse. E talvez, se ela tivesse levado o crédito isso nem teria acontecido, né?
    Porque eu também entendo o lado da bailarina, de não ter levado o crédito pelo o que ela realmente fez. Entendo que isso pode causar uma certa revolta. Ser a dublê da Natalie num filme desses é uma coisa muito bacana, ao meu ver, de muito prestígio, e entendo que ela tenha ficado chateada. Mas ela poderia ter dito isto de forma mais educada e breve, claro.

    Beijos!

  12. Quando eu fui ver o filme, fiz um comentário a uma amiga sobre a perfeição dos efeitos especiais das montagens de rosto. Essa amiga ficou pasma, pensou que era Natalie mesmo, argumentou se não seria possível ser ela, pois treinou um ano inteiro e tal. Pasma fiquei eu, por acharem que uma pessoa com apenas um ano de treinamento seria uma bailarina como a protagonista de Black Swan. Depois começou essa confusão da dublê e todo mundo dando razão a ela. Fico pensando no quanto as pessoas acham que sabem de ballet e no quanto estão se aproveitando dessa ignorância para tirar proveito.

    Dou todo o crédito do Oscar a Natalie, porque ela é uma atriz maravilhosa. Se alguém achou que ela fez todos aqueles passos, só lamento a ignorância.

  13. Simplesmente baixo. Eu nao sei se ela conseguiu manchar as imagens das bailarinas. Mas infelizmente isso acontece direto. Sei la, acho que eu ja estou calejada. Mas no documentario Etoile da Opera de Paris, mostra a rivalidade que existe entre as bailarinas. No caso das bailarinas de verdade, a situacao fica bem complicada, pois elas crescem em um regime de internato e convivem com as mesmas pessoas durante anos. Elas tem que competem ate para subir de nivel. A Elizabeth Platel explica isso muito bem e tambem o Manuel Legris. E sao obrigadas a conviver civilizadamente. Mas nesse caso, isso eh simplesmente lamentavel porque, como voce propria falou a Natalie Portman foi avaliada como atriz e nao como uma bailarina. Eh triste, mas acontece.

  14. Cassia, o ego não se torna gigante só com as sapatilhas nos pés não…ultimamente, ele está se tornando “dono de seus donos” em quase todas as profissões….daí o caos de ética pessoal que vivemos hoje!
    Alguém está simplesmente tomado pelo sentimento de inveja, não contente com o papel que lhe cabe (e que escolheu por sinal) na vida, ainda quer estar no papel de outrem e de quem mais puder lhe proporcionar mais “glamour”…quer sempre ser a estrela, sempre estar no “topo”! Assim deve agir também nos palcos de dança, e da vida….
    Veo essa situação em vários casos reais, de nós mesmos, simples mortais….escolhemos um caminho, escolhemos uma profissão, e não admitimos, não aceitamos, ou nosso ego não aceita quando precisamos, ou temos que compartilhar nosso “ambiente” com pessoas de outras alçadas e que por ventura, tenham maior destaque profissional ou pessoal que nós. É terrível, mas é a realidade não é?!
    Eu sou somente uma esteticista, um dia também já fiz parte deste mundo do ballet, porém por motivos físicos não pude levar a diante as aulas….mas com tudo isso, também fico envergonhada, pois para mim, o ballet sempre passou uma visão de sobriedade e sensibilidade…não é isso que vemos atrás dos bastidores agora….
    Um abraço!

    1. Cecília, belíssimo comentário! Você tem toda razão, o ego está em tudo. Posso discordar de uma coisa? Somos todos simples mortais. Sinceramente? Estou cansada dessa postura “somos seres especiais” que existe no ballet clássico. Cansada demais!

      Grande beijo.

  15. Concordo plenamente com vc Cassia, principalmente quando você diz “o ego se transforma em um gigante quando alguém coloca sapatilhas nos pés”.
    O nome das dublês não aparecerem de modo correto nos créditos do filme foi um erro, mas isso não é motivo para a criação de uma competição de quem fez quantos porcento do filme. E não tiro o crédito da Natalie não, uma vez q representar uma bailarina não se basei apenas na atuação no palco, mas como um todo, ela soube se portar com tal o filme todo e isso eu admiro muito, bailarina não é bailarina só com as sapatilhas nos pés, mas quando tem a dança no coração.
    beijos!

    beijos;**

  16. Cássia, não falei que você defendia NP cegamente, falei que em alguns minha opinião divergia da sua e de outras meninas que, realmente, parecem defendê-la cegamente.
    Espero não ter entendido o que você quis dizer com “escrever dessa forma” no seu espaço. Em nenhum momento te ataquei ou fui desrespeitosa de nenhuma maneira por discordarmos, somente estava expondo a minha opinião. Entendi a sua argumentação e discordei. Para isso servem os comentários. Novamente, espero que dessa vez não tenha lhe entendido, porque, se entendi, para alguém que trabalha com palavras você parece interpretar mal todas as minhas. E não medir as suas.

    1. Danielle, vamos lá, pela última vez. Comentários não são simplesmente para discussão. Sem dúvida, você não é leitora do blog, porque isso já foi assunto de post. Eu publico para expor a minha opinião dos fatos, não para abrir um debate público. Para isso existem redes sociais e grupos de discussão. As pessoas que aqui comentaram e defenderam a Natalie, não o fizeram cegamente, argumentaram como conhecedores de ballet clássico e cinema. Porque, depois dessa confusão do filme, tudo mundo acha que entende de ambas as coisas. Sobre os seus comentários, o que eu disse com “escrever dessa forma” é porque você fala, mas não argumenta. Não embasa o que diz. Discordar por discordar é muito simples. Mostrar por a+b o motivo da discordância é outra coisa. Além disso, não apele para o fato de eu ser revisora e preparadora de textos, a minha profissão não está em discussão. Se você não havia me desrespeitado, agora o fez. Se você acha que virá aqui, no meu espaço, para brigar, pode pegar sua mala e fazer isso em outro lugar. Aqui, não. O blog é feito para quem é apaixonado por ballet clássico e quer compartilhar sobre o assunto. Não há problema algum com quem concorda, discorda ou propõe outros caminhos. Agora, se você quer dar a última palavra, desista. Eu meço sim as minhas palavras porque as conheço o suficiente para dizer claramente o que quero. Se há quem não entenda, o problema não é meu.

  17. Primeiro: não estou defendendo ninguém, estou apenas comentando pontos nos quais a minha interpretação dos fatos diverge da interpretação da Cássia e, pelo visto, da maioria das pessoas (que me parecem, na verdade, estar apenas defendendo cegamente a NP).
    Segundo: obviamente não vamos todos concordar plenamente porque essa discussão se baseia em interpretação do que foi dito por uma, duas e outras pessoas. Interpretações são subjetivas, ponto.
    Terceiro, só corrigindo os pontos em que eu pareço ter sido mal interpretada: não disse que SL disse que foi proibida, disse, ou melhor, citei que lhe foi pedido que PARASSE de dar entrevistas. Ela já tinha dado entrevistas e lhe disseram para parar, diferente de ela já tinha dado entrevistas mas depois disse que sempre foi proibida.
    Quanto ao fato de ter sido contratada para ser dublê, vou pelo que o Luiz escreveu, ela foi no mínimo 50% do personagem e deveria ser citada com tal. Não foi só uma dublê em meia dúzia de cenas de ação. Aí o que me surpreende é que nem citada como mera dublê de ação ela parece ter sido, mas depois reviso isso nos créditos do filme.
    Não disse que ela deu um tapa na cara da Fox, mas sim que ela tomou um tapa deles. Pedir que ela parasse de dar entrevistas e ficasse quieta e remover todos os vídeos em que ela aparecia de circulação é que foi antiético.
    Por último, não acho que destacar o nome de uma pessoa responsável por grande parte da veracidade é um despropósito ou tamanho desrespeito com os outros atores assim. Não quando “o dublê” faz metade do trabalho da personagem.

    1. Danielle, o fato de eu argumentar à favor da Natalie não é defesa cega. Se assim fosse, quem defende cegamente a Sarah é você. A minha argumentação está toda no post, não entende quem não quer. Não, a Sarah não fez metade do trabalho da personagem e não há absolutamente nada que sustente essa afirmação. Estude cinema, interpretação e aprofunde as suas informações sobre o filme. Aí você pode vir aqui, no meu blog, no meu espaço, e escrever dessa forma, tudo bem?

  18. Acho muita falta de maturidade dizer que ela sujou a imagem das bailarinas. Então, uma andorinha faz verão? Uma pessoa só fala por uma classe inteira? Acho que não.
    Acho que a bailarina tem TODO o direito de lutar por sua verdade. Pois o filme é sim sobre a dança, e não é um filme de ação, no qual um dublê faz uma cena de perigo. Não existem Rambos e Exterminadores do futuro na vida real.
    A dança, em Cisne Negro é o componente principal, e se vocês prestarem bem atenção, os produtores quiriam afirmar que as cenas de substituição de cabeça aconteceram apenas algumas vezes, quando na verdade aconteceram quase em todas as tomadas de dança.
    Vejam o caso do filme “O curioso caso de Benjamim Bottom”, no qual Kate Blanchet interpreta uma bailarina. O rosto da atriz também foi colocado no corpo de uma bailarina profissional, mas Kate em nenhum momento deu créditos à moça – até ai a gente entende, pois o filme não era sobre a dança, mas sim sobre um amor impossível. Já Cisne Negro tem a dança quase como um personagem, então quem se esforçou tem que ter seu nome exaltado SIM.

    1. Luiz, sinceramente, não venha falar em maturidade se você não entendeu o post ou a minha argumentação. Você fez parte da equipe de efeitos especiais para afirmar que houve alteração de todas as cenas de dança? Pelamor! Vem todo mundo aqui defender um reconhecimento que a Sarah não deve ter. Você sabe o que significa ser DUBLÊ? Vamos todos estudar o que isso representa num filme para depois argumentar? Dublês são dublês, não importa se em cenas de ação, dança ou nudez. Vocês acham que ela foi praticamente coatriz no filme, e ela não foi. E ela manchou sim a imagem das bailarinas, porque ela só mostrou o que o mundo do ballet atestou e meio mundo veio aqui confirmar: o ego imenso dos bailarinos. Está na hora disso mudar, de verdade, e cada qual reconhecer o seu lugar. E se você realmente acha que em Black Swan a dança é quase um personagem, você não entendeu o filme.

  19. Cássia, tenho que discordar um pouco de você. Não totalmente, mas já explico porque “um pouco”.
    Você disse que a Sarah Lane disse mentiu ao dizer que foi proibida de dar entrevistas, mas que havia dado uma entrevista em dezembro, que só reclamava sobre o trabalho no set e reclamou para a Dance Magazine que havia sido creditada como dublê.
    Eu li todas as entrevistas que achei e na primeira entrevista ela foi super positiva, não reclamou de todas as piruetas e os fouettés, mas apenas falou do que foi mais difícil — na verdade, desafiador, em participar das filmagens. Na segunda (http://dancemagazine.com/blogs/wendy/3741) ela não fala nada sobre ser creditada como dublê, quem fala é a pessoa que postou o blog. Ela sim chamou de farça não ter seu trabalho reconhecido e eu concordo: Natalie Portman mereceu o Oscar pela atuação, mas Sarah Lane merece reconhecimento por unir a cabeça transtornada ao corpo de bailarina. A característica mais marcante de Nina é seu perfeccionismo e não seria possível acreditar na personagem se a expressão fosse sofrida mas o corpo não se esforçasse para fazer tudo perfeito.
    Sobre serem duas dublês, não sei exatamente o que a outra fez, e, na verdade, o importante pra mim é o seguinte: quem dançou (1, 2, 5 meninas se fosse o caso) pela NP, deveria ter seu nome nos créditos finais junto ao dela. Sabe quando os filmes acabam e vão aparecendo os nomes dos atores principais, 1 aqui, outro ali…? Eu colocaria a(s) dublê(s) abaixo do nome dela, pronto. Assim como no caso do Happy Feet, em que um dançarino profissional “foi” o pinguim, a dança é fundamental para esse filme, então deveria ser clara a importância dessa, ou dessas, pessoa(s) para o resultado final. Novamente como no caso do Happy Feet, esconderam o nome da pessoa que fez parte fundamental do trabalho e isso eu acho um absurdo e uma tremenda falta de respeito e profissionalismo.
    Sei que você também acha que ela merecia reconhecimento, então concordamos aí. Agora vai dizer que você não ficaria furiosa em dar entrevistas, falar que legal a sua experiência trabalhando com aquelas pessoas e quando elas estão prestes a ganhar alguma coisa mandam você ficar quieta e apagam qualquer evidência de que você foi importante para o trabalho que fizeram?! TODOS os vídeos que mostravam a montagem de NP em SL foram deletados do YouTube, só se consegue ver uma mensagem dizendo que a FOX tirou-os do ar. Vai dizer que não seria difícil não perder a compostura e falar umas verdades por aí?
    Concordo com você que ela não deveria ter feito barraco, dito que NP não passa por uma bailarina profissional, que só fez 5% do trabalho, até porque isso faz parecer que ela quer contestar o Oscar da NP. Mas não acho que ela queira roubar os holofotes, só acho que o tapa na cara que ela tomou da FOX foi forte demais para conseguir não gritar. Não foi a melhor reação do mundo, mas foi a mais esperada. ):

    1. Vamos lá, Danielle. Ela disse que foi proibida de dar entrevistas falando sobre o filme, mas a entrevista está aí. Pronto, ela mentiu. O fato de falar que ela só reclamou foi adendo meu, porque se você achou positivo ela dizer que quase chorou ao repetir a coda, gravar até de madrugada, não conseguir manter o seu aquecimento, não querer reconhecimento mas, quem sabe, trabalhar em filme seja bacana, eu não achei. Mas isso é opinião minha, o fato refere-se à entrevista. Eu li não apenas um, mas dois posts da Wendy falando sobre o assunto. Porém, em qualquer notícia sobre o barraco, você lerá a afirmação de que Sarah deu uma entrevista à Dance Magazine contando da proibição. Isso está em todos os veículos. Não há quem cite a Wendy. Se realmente a “denúncia” veio daí, é mais bizarro ainda. O que eu me impressiono, com seu comentário e de outros defendendo a Sarah, é que ela foi contratada e paga para ser dublê. E dublê não aparece e pronto. Eu não ficaria brava porque eu saberia pelo que estou sendo paga. Ora, se os dublês de TODOS os filmes não aparecem, por que a Sarah tem de aparecer? Por que é bailarina? Fouettés são muito mais difíceis de serem feitos do que uma pessoa se jogar em um carro em movimento e fingir a própria morte? Sinto muito, mas esse mérito ela não tem. Ela não deu tapa na cara da Fox, especialmente porque foi antiprofissional e antiética. Não só, manchou o próprio nome e colocou as bailarinas como seres rancorosos. Por um acaso você viu a dublê da Cate Banchett, no filme “O curioso caso de Benjamin Button”, dando entrevista? Recebendo atenção da mídia? Ela é da Martha Graham Dance Company. Se uma bailarina não consegue se manter no seu lugar para aquilo que aceitou fazer, foi paga para fazer e assinou contrato para fazer, está na hora de aprender o que é profissionalismo. Ela quis sim os holofotes. E acho vergonhoso a maneira como ela fez isso, de verdade. E o mundo do ballet deveria aprender com isso. E os nomes das dublês abaixo do nome da Natalie Portman? Isso é tão sem propósito e um desrepeito tão grande com os demais atores do filme, que nem dá para levar a sério. Quer o nome no crédito de um filme? Seja ator. Cada um com seu cada qual.

  20. Cássia, entendo a tua revolta quanto a esta situação. De facto, tudo isto está a pôr em causa todo o trabalho e o valor da Natalie como actriz, que em nada teve a ver com o que aconteceu. Também se está a pôr em jogo o profissionalismo de muitas pessoas que fizeram parte da equipa deste file e que nem o dedo tiveram nesta confusão. A Natalie de facto mereceu o prémio com toda a razão e isto nem nunca deveria ter interferido.
    Mas o crédito da tal bailarina dupla deveria ter sido melhor mencionado, Cássia. Dizes que aparece em algumas listas e falta noutras. Achas que isso foi dar créditos? Na minha opinião, não. Se ainda por cima foi ela que fez as partes de palco, então com certeza deveria ter sido bem mais creditada que os outros que pertencem apenas ao Corps. Ela tinha o direito de ver o seu nome em todas as listas. Vejamos um seguinte: Foi pedida a tua ajuda para montar um efeito para um filme, porque era uma cena importante, e depois no final não aparece o teu nome porque era para pensarem que tinha sido alguém da equipa principal do filme. Gostavas? Bom, eu não gostaria com certeza, e também contestar sobre isso.
    Se ela tomou a melhor atitude ou não, isso já não sei, porque cada pessoa tem a sua forma de reagir. Ela agiu assim, mas isso não põe em causa o seu direito ou não de lutar pelos seus créditos. Se já tem algo mais em jogo, como o mérito e os louros, ora, com certeza que teve as suas consequências, pois para as notícias terem chegado até aqui, é porque não ficou muito bem vista aos olhos dos media.

    1. Cosette, desculpe a minha indelicadeza: você leu o post? Eu mencionei claramente que ela deve sim receber o crédito. Eu questionei a sua postura em fazer disso uma briga pública. Não só, em fazer afirmações que não são verdadeiras, como expliquei e refutei no post. Releia. ;)

  21. Na época do lançamento do filme, eu apenas vi as entrevistas da Natalie Portman (para a revista Elle e para o David Letterman). Não me lembro de ela falar na utilização de dublê, mas só no quanto ela ensaiava todos os dias para poder convencer como primeira bailarina. Parece-me que houve, sim, a intenção de nos fazer crer que a grande maioria das cenas de dança foi feita pela Natalie Portman. Na minha opinião, as duas partes estão erradas.

    1. Andressa, eu assisti a essa entrevista da Natalie, e tantas outras. Ela lá estava para promover o filme e falar sobre sua preparação, o que, aliás, é praxe no meio. Mesmo assim, em momento algum ela se coloca como primeira-bailarina. Tampouco acho necessário ela ficar falando sobre as dublês, da mesma maneira que não precisaria ter mencionado sobre elas no seu discurso de agradecimento do Oscar (outro questionamento absurdo da Sarah). Como eu bem falei no post (e você, creio eu, o leu completo), o próprio estúdio deixou claro que houve o uso de dublês nas cenas mais difíceis. Eu digo e repito, estão exigindo um reconhecimento maior do que o necessário para o fato. Ou seja, ninguém sabe qual o verdadeira papel de um dublê.

  22. Olha Cássia estou aliviada por você ter mencionado esse assunto.
    Quando eu vi a nota sobre essa menina num site meu sangue também ferveu de tal modo que nunca mais consegui acessá-lo.
    Fiquei aliviada por ler seu comentário lá mas este seu texto agora mostra que está faltando uma coisa muito simples antes de sair por aí lançando notas “bombásticas”: pesquisa.
    Qualquer pessoa minimamente informada sobre cinema, que já tenha visto qualquer making of, sabe que existem dublês para os mais diversos tipos de cenas. Quem é (bem) mais velho lembra, por exemplo, da “polêmica” sobre a moça que foi dublê de corpo da Julia Roberts em “Uma linda Mulher”. E não há nenhuma cena de dança naquele filme….
    Em cinema e publicidade há dublês pra tudo. Até para closes de pés e mãos!
    Sinceramente não entendo porque incomoda tanto as pessoas uma atriz interpretar uma bailarina…
    Obrigada mais uma vez por seus textos informativos.

  23. Essa menina simplismente quis fazer com que o trabalho dela fosse mais importante do que a atuação de Natalie no filme. O que é que ela tá querendo? O Oscar? KKK!!!! Se foi essa a intenção, ela perdeu o tempo dela! Se formos parar para analisar, o ballet é apenas o plano de fundo para todo o desenrolar da história! Poderia ser teatro, por exemplo! Ela está exigindo um crédito que ela não tem! Aposto que se a Natalie não tivesse ganho o Oscar, ela estaria bem quieta no canto dela! Desculpa, mas isso me revolta demais!

  24. Quanta polémica este filme causa e quantos rios de tinta correm sobre ele… É bom sinal, ou mal ou bem, as pessoas estão a falar sobre. Mas tem havido muita confusão porque se pensa que este filme é um documentário que supostamente devia retratar o dia-a-dia de uma companhia e dos seus bailarinos. Ora, o Cisne Negro é um filme, uma história que um autor, por sinal brilhante, se lembrou de inventar! Porque é que custa tanto perceber, e porque é que há tanta gente ofendida com o filme é que eu não entendo… (Eh eh os médicos também se deviam revoltar com Anatomia de Grey! Aquilo é uma teia de intrigas que não tem fim e os médicos mal trabalham :P )
    Quanto a este assunto concordo em tudo contigo Cássia. Com certeza a bailarina, ao assinar o contrato com dupla, estava informada de que apesar de ter um importante papel adicionando a realidade do ballet clássico através da sua técnica ao filme, não teria a visibilidade de que ela talvez se achasse merecedora. Mas também não era a vez dela brilhar, o seu esplendor deve reservá-lo para o palco que é onde as bailarinas trabalham. O filme foi um extra na carreira e no bolso dela.
    O filme está sensacional! De uma forma retorcida deixa-nos boquiabertos, maravilhados e encantados (só faço a minha censura às cenas de intimidade explícita que na minha opinião eram escusadas pois penso que em nada abrilhantaram o filme, mas é só o que eu acho…). Natalie Portman estava impecável! Se ela nos convenceu de que era inocente, vulnerável, ambiciosa, paranóica e louca? Sim, com certeza, sem sombra de dúvidas! (Espectacular a cena do metro, quando ela passa pelo seu “eu” negro!) Se nos fez pensar que era uma bailarina mesmo não o sendo, mesmo não dançando? Também. E talvez por isso tenha ainda mais mérito. Se ela não dançou assim tanto em pontas, se não sentiu assim tantas dores, se não suou assim tanto para fazer os fouettés então como é que ela conseguiu expressar tão bem todas as emoções associadas a isso tudo? Fingiu perfeitamente. E é esse o trabalho de uma actriz.

    Beijos

  25. Assino em baixo de tudo que vc disse, Cássia…

    Se o ponto chave do filme não fosse a incrível interpretação de Natalie, que nos fez acreditar que ela realmente se transforma no Cisne Negro, era só contratar uma bailarina para o papel principal e pronto!!!!

  26. Também concordo com você. Todo mundo sabe do esforço e trabalho das bailarinas, Natalie não vai ser uma só porque interpretou uma.
    E tenho certeza de que os médicos não estão contestando porquê ela fez uma médica em Sexo sem compromisso… afinal, ela é atriz.
    P.s.: O oscar foi mais do que merecido!

  27. Não sabia disso. Que ridícula!!! eu não assisti ao filme, mas tenho certeza que a Natalie ganhou o Oscar por ter sido excelente atriz, e não bailarina. Porque ela é atriz, e não bailarina!!! Essa menina que parece que não entendeu…

    Não sei o que aconteceu para não ter seu nome citado, e ela se aproveitou da situação para fazer escândalo e ficar famosa, né não? Para mim, ela passou dos limites.

    Beijocas

  28. Eu já havia visto esta encrenca, concorco com vc, o Oscar quem consegue fazer o publico acreditar nakilo piamente. Claro q ser reconhecido por seu trabalho é muito importante, mas neste caso quem merece é Natalie, foi avaliada como atriz não como bailarina. Tem que se aprender uma coisa:
    Cada macaco no seu galho!

Os comentários refletem a opinião das leitoras e dos leitores e não correspondem, necessariamente, à opinião da editora do blog.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s