Esmeraldas, rubis e diamantes

É possível ser genial na arte em que parece não haver mais espaço para o novo? Sim. George Balanchine nos ensina como fazer isso em Jewels.

Dividido em três partes, com música de Gabriel Fauré para as Esmeraldas, Igor Stravinsky para os Rubis e Pyotr Ilyich Tchaikovsky para os Diamantes. Cores, figurinos, coreografia, expressividade, cada parte é muitíssimo bem-definida, podem até ser encenadas separadamente. Mas a grandeza está em assisti-las juntas.

George Balanchine e suas joias. Foto: Não encontrei o nome do autor.

Eu falei sobre Jewels aqui, mas ainda não havia assistido ao ballet completo. Os meus olhos marejaram várias vezes, tamanha beleza. Para vocês terem uma ideia, em um dado momento, eu não prestava mais atenção na técnica da coreografia, coisa que qualquer apaixonado por dança faz. Eu estava embevecida com aquilo que via. É realmente uma obra-prima e deveria ser remontada constantemente, para sempre.

Assisti à montagem da Ópera de Paris, de 2005. Lá estava a minha preferida, Aurélie Dupont, em Rubis. Laetitia Pujol estava linda em Esmeraldas e Agnès Letestu estava perfeita em Diamantes.

O meu único porém é em relação ao figurino, nessa montagem, feito por Christian Lacroix. Ele errou a mão nos Diamantes, os tutus estavam imensos, eles se batiam em determinados momentos. Na criação de Balanchine, o tutu das solistas é sino, das demais é curto, condizente com a coreografia. Palco é diferente de passarela, Lacroix! Mas como as Esmeraldas estavam soberbas, vou abstrair esse detalhe.

Fiquei tão encantada que não tenho mais uma joia preferida. Posso dançar o espetáculo completo?

Eu não encontrei um trailer ou vídeo que tivesse trechos das três partes dessa montagem da Ópera de Paris, mas apenas um trecho de Diamantes.

A propósito, a São Paulo Companhia de Dança já remontou Serenade, Tchaikovsky Pas de Deux e Theme and Variations, todos de George Balanchine. Já pensaram em remontar Jewels? Prometo o meu amor eterno para vocês.

*
Para saber mais sobre Jewels, aqui.
Para saber mais sobre cada parte, clique nos nomes: Esmeraldas, Rubis e Diamantes.
Para conhecer The George Balanchine Foundation, aqui.

Anúncios

17 comentários sobre “Esmeraldas, rubis e diamantes

  1. George Balanchine é realmente um meeeeeeeeeeeeestre das coreografias!!!
    Jewels é um espetáculo de se encher os olhos!!! Cada parte com sua personalidade…
    As Esmeraldas utilizam tutus românticos e as músicas são suaves, ao mesmo tempo melancólicas.
    Os Rubis tem coreografias ousadas e com um toque de sensualidade. Figurinos extremamente curtos, e a música de Stravinsky deu o tom certo…
    E os Diamantes!!! Parte mais lírica de toda a peça!!!! Meu sonho de consumo: dançar a mazurka final dos Diamantes… é de encher os olhos *-*

    A conexão entre as músicas e os passos é simplesmente INCRÍVEL!!!!

    Grande bj^^

  2. Somente hoje minha internet me permitiu assistir aos três atos de Jewels e fiquei totalmente enamorada, acho que Balanchine consegui retratar bem os três tipos de jóias, todas valiosas porém diferentes.
    As Esmeraldas são belas e delicadas.
    Os Rubis são sensuais e atrevidos.
    E os Diamentes são perfeitos e apaixonantes.
    Que mulher não gostaria de ter qualquer uma delas. Que bailarina não gostaria de dançar todas.

    Beijinhos… Carol Celeghin.

  3. Oi Cássia, já assisti Jewels e voltei para comentar. Diferente de vc, não fiquei com os olhos marejados, mas todo o tempo fiquei em êxtase com todo o espetáculo! No geral, tirei a mesma conclusão de Serenade em Jewels: figurino, cenário, coreografia e música casam perfeitamente como se um não pudesse existir sem o outro. As coreografias não se assemelham de jeito algum com repertórios pois, quando vc espera um movimento, o bailarino faz outro e toda a produção se torna surpeendente todo o tempo. E mais: que bailarina não iria querer ser do corpo de baile dançante de Balanchine? Adoro o fato delas dançarem e não apenas fazerem parte do cenário como é habitual nos repertórios! Amei também o fato de os solistas dançarem livremente ao som da música e não se prenderem aos menos de 2 min das variações. Outro fato de que gostei foi o de os homens DANÇAREM, coisa que é mais difícil nos repertórios.

    SOBRE ESMERALDAS: Realmente soberbas! Figurino magnífico que dança com as bailarinas e fazem dessa parte do ballet um espetáculo a parte! Amei a música, os solos das duas dolistas e também amei o trois! Esmeralda se tornou uma das minhas jóias favoritas!

    SOBRE RUBI: Essa parte fez uma coisa que o mundo das pontas não havia conseguido: fez os bailarinos rebolarem literalmente. A música é forte e bem marcada e fica na cabeça! Todas as bailarinas são pernudíssimas! Aurelie Dupont deu um espetáculo a parte nesse ballet. Toda a coreografia foi para mim um misto de sensualidade com brincadeira! Ficou na memória e no coração!

    SOBRE DIAMANTES: Foi o que mais me pareceu com um trecho de repertório com pas de deux e tudo. Amei aquela espécie de árvore de diamantes pendurada no cenário ficou magnífico! Mesmo não sendo o figurino original do ballet, amei os tutus das bailarinas. O final me deixou completamente arrepiado!! Muito lindo. Balanchine eo Ballet Ópera de Paris estão de parabéns!

    Desculpa ter feito uma postagem tão longa! KKKKKKKK!!!! Mas havia muita coisa para dizer sobre esse ballet e precisava me expressar com quem entenderia! Acharia fantástico se a São Paulo Companhia de Dança remontasse Jewels. Com certeza quem assistir a primeira vez vai se apaixonar ainda mais feito por uma companhia tão boa!!!! Totalmente a favor!! Beijo Cássia!!!!!!!

    1. Felipe, adorei a sua análise! E tem uma coisa que você disse e eu não havia pensado: nas obras de Balanchine, os homens e o corpo de baile realmente dançam, não fazem figuração. Descobri por que eu prefiro ballets assim aos ballets de repertório, você matou a charada, hehehe. Porque não existe a figura central da primeira-bailarina e todo o restante em torno dela. Aliás, a gente nem consegue “ver” essa figura, todos dançam em conjunto. Adorei quando você disse que os rubis rebolaram, afinal, no ballet, o pobre quadril não existe. Venha sempre comentar suas análises, tá? Eu adorei. :D

      Grande beijo.

  4. Oi Cássia, tudo bem?
    Gostaria de te pedir dica de lojas online de balé. Preciso de collant :)
    Se puder me ajudar, ficarei grata!
    Adorei seu blog!
    Bjos

  5. ai meu Deus,realmente as esmeraldas estavam soberbas…esse tipo de figurino,romântico,é o mais lindo na minha opinião,leve e mto feminino..dá um ar de “princesa” à personagem…lindos!! É mto bom poder ver outros repertórios além dos de sempre lago dos cisnes,gisele etc…

    Gostaria q vc comentasse o q acha do espetáculo “Laternas Vermelhas” do balé da china,eu acho muito lindo e original,eles conseguiram fazer um ballet clássico com todas as características orientais…sem falar q o figurino é revolucionariamente lindo!!

    beijo Cássia :)

    1. Sarah, eu só vi um trecho de Lanternas vermelhas e achei a coisa mais linda do mundo! Eu prometo que assistirei ao ballet completo e faço um post bacana. E as esmeraldas estavam mesmo soberbas, esse tutu romântico verde, nossa. Ele passa longe dos outros dois em beleza, nem dá para comparar.

      Grande beijo.

  6. Adoro as produções de Balanchine e já assisti todas as três feitas pela São Paulo Cia de Dança e tenho verdadeiro amor por Serenade. As coreografias são dinâmicas e envolventes, posso dizer que Balanchine se diferencia de tudo que já vi. Já consegui baixar Jewels mas ainda não tive tempo de assistir, mas tenho certeza de que vou gostar! Bejus Cássia!!

    1. Felipe, você é praticamente um especialista em Balanchine pela São Paulo Companhia de Dança. :D Muito legal você ter visto todas. Depois de assistir Jewels, você volta para comentar? Quanto mais gente emocionada com Jewels, mais a gente convence a SPCD em remontar, hehehehe.

      Beijos.

  7. É realmente uma joia. É isso o que se chama de néo-clássico (não sei bem)? O rubi se aproxima bastante do moderno. Esteticamente o ballet é belíssimo e inovador, mais o meu coração ainda bate mais forte pelos ballets tradicionais de repertório. Bjs

  8. Cássia! O que é isso! Ai que vontade de jewels! Isso é tudo! Eu ainda estou maravilhada com o corpo de baile, e como a forma, em que os principais se entrelaçam com o corpo de baile, foi perfeito! Esse cara sabe nos encantar….!

  9. Eu ja assisti a montagem da São Paulo Companhia de Dança com a Serenade….. e é simplesmente PERFEITAAAAAAAAA…….. e eu quero uma joia dessas tb huahauhauahuahuahua

    1. Camila, acredita que eu ainda não assisti a Serenade? Uma vergonha! Olha lá, o coro para Jewels está aumentando, hehehe.

      Beijos.

  10. Prometerei meu amor eterno para a São Paulo Companhia de Dança se montarem e fizerem turnê nacional, passando por aqui é claro, com Jewels.
    Não quero nada também né? heheheheh

    Beijão
    Ana

Os comentários refletem a opinião das leitoras e dos leitores e não correspondem, necessariamente, à opinião da editora do blog.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s