Para estudar “O lago dos cisnes”

OK, esse é o grande sucesso dos ballets de repertório. Mesmo quem sequer saiba o que significa ballet clássico o conhece. Agora, no nosso caso, será que sabemos realmente quais são os seus pontos fundamentais?

Para descobrir, aqui estão duas fontes de estudo, com base no Royal Ballet.

The art of dancing Swan Lake‘s black and white swans
(A arte de dançar os cisnes negro e branco de O lago dos cisnes)

Em um vídeo de apenas cinco minutos para a BBC News, Zenaida Yanowsky, primeira-bailarina do Royal Ballet, explica as principais diferenças técnicas e de interpretação dos dois cisnes. Não sabe inglês? Não se preocupe, memorize apenas “black swan” e “white swan”, depois se preocupe em prestar atenção nos seus movimentos. É para rever mil vezes.
Para assistir, clique aqui.

‘Swan Lake’: From Planning and Performance
(‘O lago dos cisnes’: Do planejamento à execução)

O Royal Ballet construiu um site específico sobre O lago dos cisnes. Há tudo o que vocês podem imaginar: história do ballet de repertório, bastidores, figurinos, ensaios, o dia a dia dos bailarinos. Do lado direito, há páginas com informações e fotografias. Do lado esquerdo, o paraíso: toda a preparação e concepção do espetáculo, em vídeo. Entrevistas com a diretora do Royal, o ensaiador/coreógrafo, bailarinos, além de trechos de ensaios e apresentações. É para se perder no estudo, mesmo.
Para acessar, aqui.

*

Um ponto importante para mudar nosso ponto de vista e começarmos um estudo de fato: a Odette é solitária e sofre calada; a Odile, além de perversa, segue ordens de alguém.

Fotos: © John Ross. Marianela Nuñez, Odette e Odile. William Tuckett, Von Rothbart.

Anúncios

10 comentários sobre “Para estudar “O lago dos cisnes”

  1. Também senti a mesma coisa, mas achei que deveria fazer a observação justamente por causa disso. Não me importaria tanto com a presença das meninas no palco, mas um movimento com burrée não combina mesmo, embora no teatro não se note isso, já que a estrela é a odile. Eles devem fazer isso para desenvolver as habilidades cênicas das estudantes para que possam, no futuro, fazer parte do corpo de baile.

  2. Um pequeno detalhe:

    Na hora do burrée, as meninas com os tutus mais escuros dançam na meia ponta (aos 4.42 mins do vídeo). Eu vi uma entrevista do Anthony Dowell dizendo que havia partipação das meninas da Royal School na montagem dele. Talvez seja, mas não tenho certeza. Achei interessante.

    1. Ju, eu prestei bem atenção para ver as meninas na meia-ponta… Sabe que tenho uma certa birra quando mistura ponta e meia-ponta? Acho bacana a ideia, especialmente porque, imagina, você ser estudante e estar ali, numa montagem profissional do Royal! Eu só não acho legal de ver, porque eu não tiro os olhos e me atrapalha, hahahaha.

  3. Ameeeeeeeeeeeeeeeeei este post!Muito bom o video da BBC e realmente é só seguir o “white Swan” e o “black Swan” que você intende perfeitamente a diferença, a mágica da dassa é essa, você não precisa de palavras, seu corpo diz e expressa tudo o que voce sente, o que voce quer. Nunca assisti realmente ao ballet do lago dos cisnes mas vi alguns desenhos inspirados como “A princesa encantada” e “Barbie lago dos cisnes”, os desenhos são lindos o espetáculo em si deve ser de tirar o folego!!Amei seu post!

Os comentários refletem a opinião das leitoras e dos leitores e não correspondem, necessariamente, à opinião da editora do blog.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s