Não precisa ser ballet para ter ballet

Eu tenho meus momentos montanha-russa com o ballet clássico. Quando os meus dois pés estão bem fincados no chão e tenho a certeza que determinadas coisas eu nunca conseguirei fazer, surge a bailarina ressentida.

Como estou em um desses momentos, comecei a prestar atenção em outras danças. Foi quando os indícios de mulher apaixonada apareceram: enxerguei o ballet em mil lugares. Então me dei conta que não era apenas paixão, ele realmente está em outros cantos.

Às vezes, ficamos tão encantadas com o ballet clássico que esquecemos que ele não se resume a repertório e sapatilhas de ponta.

Pensar nisso me conforta, pois existem mil possibilidades. Não preciso me contentar a vida toda apenas com o corpo de baile. O que acho incrível, é bom ressaltar, mas também quero um solo. E todo mundo merece seu momento.

Selecionei duas cenas de filme que retratam muito bem essa ideia. De Center Stage (Sob a luz da fama), a Jody ensaiando aquela coreografia clássica das pontas vermelhas; e de Save the Last Dance (No balanço do amor), o solo incrível da Sara.

Sinceramente? É assim que o ballet tem mais a ver comigo. Uma hora temos de achar nosso lugar.

Anúncios

6 comentários sobre “Não precisa ser ballet para ter ballet

  1. Simplesmente AMO o ballet mesclado com outras danças! Quero fazer isso um dia. Fico até elaborando na minha cabeça coreografias para as músicas que amo…

  2. oi sou raylla gosto muito do ballet e o meu sonho deje de pequenina com o ballet me sentir falta da minha liberdade beijos *******

  3. às vezes na aula, eu parav pra pensar o quanto era diferente o ballet da aula e o que eu dançava antes dela. sentia um pouco a falta da liberdade que eu tinha…
    beijos

  4. Agora entendi porque lembrou de mim . Isso aí é muito mais minha cara. Eu não sou romantiquinha que nem essa galera dos cisnes né…rs
    Aliás tenho na minha cabeça aqui quase um livreto de releitura do Lago dos cisnes…! Deixemos isso pra depois. Gosto do que chamam de neoclássico , feito com bom gosto é o máximo, só me mata quem distorce…
    O livro da Dalal é ótimo! Didático a beça e tem didaticamente noções de tudo , de história da dança à detalhes de técnica e lições de música, coreografia… muita coisa!
    É isso ! Ballet é isso aí e pode estar em muitas coisas, mesmo sem musica clássica!

    Bjos

    Falar em clássico vou sim ver o D. Quixote!

  5. Oii Cássia!
    Confesso que eu também prefiro o Ballet desse jeito kkkkkk’ Gosto de expressar minha liberdade – todo mundo né? – Afinal, dançar é liberdade!

    Beeijoss’

  6. Eu acho solos lindos…eu nunca tinha pensado sobre eles
    mas recentemente venho pensando em fazer um, mesmo que demore ate que eu apresente um dia…criar a coreografia
    ela ja vem sendo criada mesmo na cabeça haha
    queria adaptar o que aprendi no flamenco, numa outra musica,talvez fique legal!
    beijao cassia

Os comentários refletem a opinião das leitoras e dos leitores e não correspondem, necessariamente, à opinião da editora do blog.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s